Artigo de Joaquim Armindo, publicado no “Voz Portucalense”

by

CRESCER OU DESENVOLVER

 

Ouvimos da boca dos responsáveis e lideres que é fundamental o crescimento da economia portuguesa, somos bombardeados com números e mais números, sem que entendamos muito bem do que falam. Todos querem crescer, e na minha humilde condição de cidadão participativo, não compreendo. É que o crescimento gera sempre crise. O crescimento é um chavão que esconde as realidades porque passam as pessoas, a sua cidadania. Nesta Quaresma tenho pensado nesta questão, como o povo a que pertenço sairá de juros, défices, que o leva a uma cidadania solipsista. Lembro-me que Jesus “crescia diante de Deus e dos homens”, e reflicto se este “crescer”, é o mesmo que agora todos proclamamos, e sinto uma diferença abismal. É que crescer diante de Deus e dos homens, é um desenvolvimento integral, não condicionado, colocando sempre o bem comum, as pessoas, a cidadania participativa, o perdão, num paradigma outro, que faz de cada mulher e cada homem participantes activos, construtores do novo nome da paz, que é a justiça, como referiu Paulo VI.

O “crescer” de Jesus, é um desenvolvimento integral, sem mácula, porque é de serviço, hoje diríamos que é o Desenvolvimento Sustentável, nos domínios da economia, do ambiente, da coesão social e cultural, o entendível para todos os povos, mas, e como se reconhece em algumas Universidades, da Gestão das Organizações, é uma marca indelével a espiritualidade de todas as nossas acções. Este é o desenvolvimento imprescindível, enquanto o crescimento traduz-se por números obsoletos, e que os “homens da sabedoria” andam às voltas.

Hoje na continuação da missão, em comunidade cristã, da Diocese do Porto, deveremos ter como especial atenção as “sarças ardentes”, onde está Deus, crucificado, e como referia o Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes: “De pé diante dos homens, de joelhos perante Deus”. A “missão” não é abstracta, mas deve assumir a denúncia e a profecia, a intervenção a que os sinais dos tempos nos conduzem, e caminhar para uma Terra onde “mana leite e mel”.

Joaquim Armindo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: