Archive for Dezembro, 2009

O BEM COMUM deseja a todos os seus Leitores

Dezembro 31, 2009

https://i1.wp.com/planetamercuryii.blogs.sapo.pt/arquivo/feliz_ano_novo.gif

Anúncios

A Europa consigo!

Dezembro 30, 2009

https://i0.wp.com/ec.europa.eu/news/images/eu_explained/091230.jpg

Veja AQUI o que a União Europeia fez por si em 2009.

É um site que vale a pena visitar.

Afinal por que razão fazemos nós a Árvore de Natal?

Dezembro 28, 2009

https://i2.wp.com/2.bp.blogspot.com/_i7cZcYz-gfI/SVIdmbs8ILI/AAAAAAAAI80/ubQxZ--BN4o/s400/0++00++000++%25C3%2581R+anjinho%5B1%5D.png

 

A árvore de Natal é uma tradição cristã. No entanto algumas raízes mais profundas desta tradição parecem estar ligadas ao solistício de Inverno em 22 de Dezembro, à promessa do fim do Inverno e das boas colheitas do ano seguinte.Há ecos de tradições semelhantes entre os romanos, que enfeitavam árvores em honra de Saturno, deus da Agricultura, mais ou menos na mesma altura do ano em que hoje preparamos a nossa árvore de Natal. Entre os Egípcios usou-se decorar as habitações com plantas, nas culturas célticas os druídas enfeitavam os ramos nús dos carvalhos nesta mesma época.

No Século VII, S. Bonifácio pregava na Turíngia (uma região da Alemanha) e conta a tradição que usava o perfil triangular dos abetos como símbolo da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Em resultado desta pregação o carvalho, considerado pelos gentios como um símbolo divino, foi substituído pelo triangular abeto. Já no século XII na Europa Central penduravam-se árvores com o ápice para baixo com a mesma simbologia triangular da Santíssima Trindade.

No centro da Europa a árvore de Natal vulgarizou-se a partir do Século XVI com o sentido que ainda hoje lhe damos, havendo notícia de árvores de Natal em 1510 na Lituânia.

Conta-se que terá sido Lutero que após um passeio na floresta com as estrelas brilhantes sobre um céu limpo de Inverno trouxe à sua família essa imagem sob a forma de uma árvore com uma estrela brilhante no topo e decorada com velas. Estava o costume enraizado. A partir daí as Árvores tal como as conhecemos passaram a marcar o Natal. Eram originalmente muito ligadas ao mito de Adão e Eva e à simbologia da Árvore do Paraíso, sendo decoradas com doces e flores de papel, flores vermelhas representando o conhecimento e brancas representando a inocência.

 Nasceu também a indústria das decorações de Natal nas quais a Turíngia se especializou.

No princípio do Século XVIII, com os monarcas de Hannover, a Grã-Bretanha começou a importar a tradição. Mas foi uma imagem publicada pela Illustrated London News, mostando a Rainha Vitória e Alberto, com os filhos, junto à árvore no castelo de Windsor no Natal de 1846, que consolidou a tradição nas Ilhas britânicas.

Na América a tradição remonta à guerra da independência, trazida, como não podia deixar de ser, por soldados alemães. A tradição não se consolidou uniformemente dada a diversidade de povos e culturas. Contudo, no Natal de 1856 a Casa Branca estava enfeitada com uma árvore de Natal e desde 1923 que esta tradição se mantém sem interrupções. 

E em Portugal ?  

A aceitação da árvore de Natal pelos Portugueses é recente quando comparada com outros países, o presépio foi durante muito tempo a única decoração natalícia. Em Portugal se fizeram e fazem dos mais belos presépios do mundo.Até aos anos cinquenta, a Árvore de Natal era até algo mal vista nas cidades, e nos campos era pura e simplesmente ignorada. Mas o tempo tudo muda. Hoje é já uma tradição e todos gostamos de trazer um pinheiro e sentir o cheiro amável com que invade a casa. É como se nesta altura um pouco dessa terra longínqua, pura e bravia com que gostamos de sonhar desde crianças se materializasse mesmo ao pé de nós.

Conselhos úteis (embora um pouco fora de tempo)

Dezembro 27, 2009

https://i0.wp.com/naturlink.sapo.pt/ResourcesUser/noticias4/green%20Christmas180.jpg

Natal Ambiental da Quercus – Bom para o ambiente e para o orçamento das famílias

Nesta época festiva, a Quercus aproveita para apresentar alguns conselhos que contribuem para um Natal ambientalmente mais correcto, mas ao mesmo tempo mais económico, o que permitirá também começar o novo ano com menores preocupações financeiras. 

A aplicação de alguns destes conselhos permitirá constatar que cuidar do ambiente é, muitas vezes, a melhor forma de cuidar do nosso orçamento mensal.

Vem aí o Natal… (também serve para o Ano Novo)

– Para a ceia de Natal comece a habituar-se a substituir o bacalhau por outra iguaria; se não consegue mesmo resistir, adquira bacalhau de média/grande dimensão; faça o mesmo em relação ao polvo (deverá ter sempre mais de 800 ou 900 gr.). Prefira o bacalhau seco a bacalhau demolhado congelado.

– Adquira uma árvore de Natal natural em vaso, caso possa mantê-la durante o ano; uma outra hipótese é comprar uma árvore artificial (que pode ser reutilizada durante muitos anos) ou então recorra apenas a árvores vendidas com autorização (bombeiros, serviços municipais), como garantia da sustentabilidade do corte.

– Não vá em modas e tenha cuidado na aquisição dos enfeites de Natal, para que os possa reutilizar por muitos e longos anos. Pode optar por criar os seus próprios enfeites a partir da reciclagem e reutilização de materiais.

– Adquira lâmpadas energeticamente eficientes para reduzir a sua factura energética e ambiental. No caso da iluminação específica de Natal, sempre que possível prefira os leds e apague-a durante a noite.

– Pense naqueles que não têm possibilidade de oferecer prendas e mesmo de ter uma ceia de Natal; seja solidário com as várias campanhas que habitualmente se desenrolam nesta época.

– Esta é uma época tendencialmente fria; isole bem a sua casa (por exemplo calafetando portas e janelas) de modo a reduzir os gastos com o aquecimento e também, para poupar recursos.

– Lembre-se que certas espécies animais e vegetais estão em vias de extinção. O azevinho é uma dessas espécies. Não compre azevinho verdadeiro. Adquira uma imitação artificial ou use a sua própria criatividade para criar uma coroa de azevinho através da reutilização de materiais.

– Às refeições utilize loiça normal evitando todo e qualquer material descartável (como copos ou pratos). Opte por produtos locais, ou pelo menos nacionais, e de preferência de origem biológica. Tenha sempre em atenção as quantidades, pois o risco de desperdício nesta altura é enorme. Para beber prefira o vinho nacional (vedado com rolhas de cortiça) e prepare infusões ou limonada em substituição dos habituais refrigerantes.

Depois do Natal…

– Guarde os laços e o papel de embrulho para que os possa utilizar noutras ocasiões; muitas embalagens, caixas de prendas, papéis de embrulho podem ser utilizados pelas crianças para fazer divertidos objectos, como máscaras, porta canetas, etc.

– Separe todas as embalagens – papel/cartão; plástico; metal – e coloque-as no ecoponto mais próximo, evitando assim os amontoados de lixo que marcam o dia de Natal; este é um bom momento para verificar se foi um cidadão ambientalmente consciente nas suas compras.

– Depois das festas, vêm as limpezas. Procure reduzir a quantidade e perigosidade dos produtos de limpeza que utiliza. Prefira os biodegradáveis e/ou em recargas.

– Não deite as pilhas para o lixo, coloque sempre no pilhão. As pilhas recarregáveis são uma alternativa económica e ecológica.

– Reflicta ao longo do ano sobre a utilidade que foi dada às prendas que ofereceu.

– Mantenha-se solidário com as diversas campanhas que se vão desenrolando ao longo do ano.

Tenha sempre presente muitos destes conselhos ambientais ao longo do novo ano que se aproxima. Não só poupará muito dinheiro, como terá uma vida mais sustentável a nível ambiental, social e também económico.

9.º Congresso Internacional de Segurança e Saúde no Trabalho (Porto)

Dezembro 27, 2009

https://i2.wp.com/www.rhnetwork.eu/uploadFiles/agenda/agenda_467.jpg

O 9.º Congresso Internacional de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho realiza-se nos dias 28 e 29 de Janeiro, no Porto, no Edifício da Alfândega.

Nesta edição o Congresso, que é organizado pela Ordem dos Engenheiros da Região Norte (OERN), pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e pela Associação Portuguesa de Segurança e Higiene do Trabalho (APSET), será subordinado ao tema

“Desafios do Ensino e Formação em Segurança e Saúde do Trabalho”.

Trata-se de um tema de capital importância para o desenvolvimento estrutural de todos os aspectos relacionados com a prevenção do risco profissional e da melhoria de condições de trabalho. Sujeitar toda a vasta panóplia de intervenções na prevenção do risco profissional, em qualquer quadrante do trabalho a nível global, sem equacionar estratégias de elevada qualidade nos domínios do ensino e da formação em Segurança e Saúde do Trabalho, é absolutamente irreal, nos nossos dias.  

Mais informações: http://www.cis2010.org/pt/Inicio.aspx

O BEM COMUM deseja a todos os seu leitores votos de Festas Felizes

Dezembro 26, 2009

https://i1.wp.com/i6.photobucket.com/albums/y219/IsabelF/Natal/FestasFelizes2-1.jpg

Um Santo Natal!

Dezembro 23, 2009

https://i1.wp.com/i219.photobucket.com/albums/cc166/recado/glimboo/feliz_natal/0292.jpg

O NASCIMENTO DO MENINO DEUS

De pequenino se torce o pepino

Dezembro 10, 2009

https://i0.wp.com/ec.europa.eu/news/images/environment/091208.jpg

Três exposições itinerantes sobre os benefícios de uma alimentação saudável percorreram sete países europeus, mostrando as virtudes da fruta, dos legumes e dos lacticínios junto de 17 000 pessoas, na sua maioria jovens de 8 a 12 anos.

A obesidade infantil é um problema crescente na Europa. Segundo estimativas da União Europeia, 22 milhões de crianças têm excesso de peso. Destas, 5 milhões são obesas, valor que tem vindo a aumentar em 400 000 por ano.

Ao longo de oito semanas, as exposições itinerantes da Equipa dos Sabores viajaram pela Bélgica, Estónia, França, Irlanda, Lituânia, Polónia e Reino Unido, visitando no total 173 estabelecimentos de ensino.

Organizando jogos e concursos, estas exposições integraram-se numa campanha da União Europeia de promoção de hábitos alimentares saudáveis junto dos mais jovens.

No âmbito da campanha, foi lançado um sítio Internet para promover a alimentação saudável, com jogos dirigidos às crianças, entre os quais uma caça ao tesouro.

O sítio faculta material educativo e conselhos aos pais, como, por exemplo, o que fazer quando as crianças se recusam a provar novos alimentos. Dica: tente que os seus filhos ajudem a escolher e a preparar as refeições.

Veja aqui:                            

Segurança dos alimentos

Programa Fruta nas Escolas

Programa Leite nas Escolas

Portal da Saúde da UE

Iniciativa da UE sobre a saúde dos jovens

Conferência das Nações Unidas sobre o Clima tem início hoje

Dezembro 7, 2009

https://i2.wp.com/naturlink.sapo.pt/ResourcesUser/noticias4/Mundo%20Copenhaga180.jpg

Depois de uma longa campanha de preparação inicia-se hoje em Copenhaga a Conferência do Clima das Nações Unidas que terminará no dia 17 e que vai reunir líderes de cerca de 100 países num esforço comum para acordar um tratado climático que substitua o Protocolo de Quioto, que expirará em 2012.

Entre os líderes políticos que vão marcar presença na capital dinamarquesa incluem-se o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, o presidente da França, Nicolas Sarkozy e o Primeiro-Ministro da Índia, Manmohan Singh.

Os principais tópicos de discussão são as metas de redução das emissões dos gases com efeito de estufa para os países desenvolvidos, o apoio financeiro para a mitigação e adaptação aos impactos da Alterações Climáticas nos países em desenvolvimento e a definição das características de um mercado do carbono que permita cessar a destruição das florestas a nível mundial em 2030.

Aguardamos e publicaremos as conclusões desta conferência. 

Novo relatório: Avaliação, eliminação e redução substancial dos riscos profissionais

Dezembro 7, 2009

http://osha.europa.eu/pt/teaser/new_report_assessment_elimination_substantial_reduction_occupational_risks_01.10072009/image_mini

O presente relatório apresenta casos relacionados com uma diversidade de locais de trabalho e que demonstram de que forma um processo de avaliação dos riscos conduziu à identificação de um risco e à sua eliminação ou redução significativa. O principal objectivo do relatório é ilustrar de que forma é possível, ao nível do local de trabalho, eliminar ou reduzir os riscos na origem.

Ler o relatório

A avaliação dos riscos – panorâmica geral

Seja prudente: apague as luzes quando se vai deitar ou sai de casa.

Dezembro 7, 2009

https://i2.wp.com/4.bp.blogspot.com/_v6B4sRjXREI/R1zjei1jlwI/AAAAAAAAANw/nAd18LtqiFc/s400/arvore13.gif

Uma em cada três séries de luzes de Natal testadas num estudo de vigilância do mercado efectuado sob a direcção da Comissão Europeia apresentava um risco directo de incêndio e de choque eléctrico.

Os testes realizaram-se na Alemanha, Hungria, Países Baixos, Eslovénia e Eslováquia, em cerca de duzentas amostras de gambiarras de Natal pertencentes a toda a gama de preços.

As amostras foram testadas para verificar se cumpriam mais de 20 requisitos e os resultados foram negativos relativamente a mais do que um parâmetro.

Em muitas gambiarras, os filamentos são demasiados finos para a corrente eléctrica que transportam, a fixação do cordão é deficiente e o isolamento fraco. Cerca de 41% das amostras foram fabricadas na China.

Na Hungria, cerca de 96% das gambiarras testadas apresentavam perigos graves para os consumidores. Nos Países Baixos, 56% não respeitavam as normas de segurança da UE. Embora o estudo só abranja cinco países, é provável que estas mesmas luzes de Natal estejam a ser vendidas em toda a UE.

Recomendações:

  • comprar as luzes de Natal a comerciantes idóneos
  • nunca deixar as luzes de Natal acesas quando estiverem em casa ou a dormir
  • à menor suspeita de problemas eléctricos ou mecânicos, devolver as luzes apresentando uma reclamação no loja onde foram compradas.

Dia Mundial de Luta Contra o VIH/Sida

Dezembro 1, 2009

https://i0.wp.com/www.ilo.org/public/portugue/region/eurpro/lisbon/images/december09.jpg

Sabia que:

Mais de 33 milhões de pessoas vivem com VIH/sida;
Mais de 90 por cento são pessoas em idade adulta;
Por cada duas pessoas que acedem aos tratamentos, registam-se cinco novos casos;
Uma em cada duas novas infecções ocorre em pessoas entre 15 e os 24 anos de idade.

A ONUSIDA lançou o sítio AIDSspace dirigido a todas as pessoas que  vivem com o VIH ou que estão envolvidas no combate ao VIH/sida.

Também o Pacto Mundial para o Emprego adoptado este ano, em Junho, na CIT, inscreve nas acções de resposta à crise a necessidade de não excluir os programas de luta contra o VIH no local de trabalho e de não discriminar os grupos mais vulneráveis. (Pacto Mundial para o Emprego »)

Não fique indiferente. Stop à Sida, mantenha a promessa!

Lisboa é um tratado!

Dezembro 1, 2009

https://i1.wp.com/ec.europa.eu/news/images/eu_explained/091201.jpg

Depois de um longo compasso de espera, o Tratado de Lisboa entrou hoje finalmente em vigor, introduzindo mudanças institucionais radicais destinadas a racionalizar o processo de decisão e a conferir uma maior importância ao papel da UE na cena internacional.

Os dirigentes europeus reuniram-se no mês passado para escolher as pessoas que iriam ocupar dois importantes cargos criados pelo tratado. Nomearam assim o Primeiro-Ministro belga, Herman Van Rompuy, para presidente permanente do Conselho da UE e a Comissária Catherine Ashton para responsável pela pasta dos negócios estrangeiros da UE.

Entre outras mudanças, o tratado prevê uma nova ponderação dos votos entre países membros, eliminando a possibilidade de um veto nacional num determinado número de áreas. O tratado alarga os poderes da Comissão e aumenta significativamente a importância do papel do Parlamento no processo legislativo.

Com o novo tratado, os cidadãos têm a possibilidade de influenciar directamente a política da UE graças a um novo direito de petição, e a Carta dos Direitos Fundamentais passa a ter um carácter vinculativo.

O Tratado de Lisboa altera os Tratados de Roma e de Maastricht, conferindo à UE um enquadramento jurídico e ferramentas que lhe permitem fazer face aos desafios inerentes a um mundo cada vez mais globalizado.

O Tratado em poucas palavras