Archive for Outubro, 2009

Novo relatório sobre diversidade da mão-de-obra e avaliação de riscos

Outubro 29, 2009

http://osha.europa.eu/pt/teaser/Workforce_diversity_risk_assessment/image_mini

O relatório intitulado “Diversidade dos trabalhadores e avaliação de riscos: garantir uma abrangência total” destaca a necessidade de se proceder a avaliações dos riscos inclusivas, de modo a ter em conta a diversidade da mão-de-obra aquando da avaliação dos riscos e na gestão dos mesmos.

Apresenta exemplos interessantes de prevenção dos riscos a que estão expostos grupos de trabalhadores mais vulneráreis, tais como trabalhadores portadores de deficiência, migrantes, jovens e idosos, mulheres e temporários.

Ler o relatório

Visitar a secção Avaliação dos Riscos

Anúncios

Clique aqui para conhecer a história da UE

Outubro 26, 2009

https://i0.wp.com/ec.europa.eu/news/images/culture/091026.jpg

A nova biblioteca digital da UE proporciona acesso ao público a publicações da UE dos últimos 60 anos.

A 16 de Outubro, a EU bookshop inaugurou a sua biblioteca digital, da qual fazem parte todos os documentos publicados pela UE desde 1952 (cerca de 110 000 publicações). Com os últimos arquivos reunidos, a biblioteca passou a ter mais de 12 milhões de páginas digitalizadas em 50 línguas.

Um dos documentos mais antigos da biblioteca é um discurso proferido em Setembro de 1952 por Jean Monnet, personalidade-chave da integração europeia, na Assembleia que viria a converter-se mais tarde no Parlamento Europeu.

A biblioteca digital foi criada em resposta à enorme procura de versões digitais de publicações esgotadas. O serviço de PDF a pedido atingiu a saturação seis meses após o seu lançamento pela EU bookshop em 2007.

A livraria é gerida pelo Serviço de Publicações da UE, que só em 2008 editou 842 números do Jornal Oficial da União Europeia e outros 8446 títulos, num total de 46,3 milhões de exemplares. Na EU bookshop, o leitor pode descarregar cópias de todas estas publicações (em formato PDF) ou encomendar exemplares impressos.

A nova biblioteca ficará ligada à Europeana, projecto digital em que participam bibliotecas e arquivos de toda a Europa.

Mais informações sobre a EU bookshop

EUR-Lex: direito europeu em linha

TED: Diário Electrónico dos Concursos

EU Whoiswho: Lista de contactos oficial da União Europeia

Riscos para a saúde no sector da limpeza

Outubro 25, 2009

http://osha.europa.eu/pt/teaser/health-risks-in-cleaning-industry/image_mini

A segurança e saúde dos 3,6 milhões de europeus que trabalham no sector da limpeza foi o tema central da “Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho” que teve lugar este ano de 19 a 23 de Outubro.

Encontram-se disponíveis a partir de agora na Internet vídeos sectoriais sobre a avaliação de riscos no sector da limpeza, HORECA e a construção.

Leia aqui:

Leia o comunicado de imprensa

Ver os vídeos

Trabalhadores do sector da limpeza

Quercus denuncia depósito de resíduos perigosos próximo de cursos de água

Outubro 20, 2009

https://i2.wp.com/ninioliveira.googlepages.com/poluicao.gif/poluicao-full.jpg

A associação ambientalista Quercus denuncia que uma empresa de transportes de Alcanena está a depositar resíduos industriais perigosos numa zona próxima de cursos de água subterrâneos junto ao Parque Natural das Serras d’Aire e Candeeiros.

A Quercus afirma que nem a GNR, nem os serviços do Ministério do Ambiente estão a cumprir o dever de fiscalizar este tipo de ilegalidades.

Quem responde por isto? Quem “paga a factura”?

Ajuda ao desenvolvimento

Outubro 19, 2009

 https://i0.wp.com/www.cenasapedal.com/blog/wp-content/uploads/2007/11/jed2007.jpg

Cerca de 4000 representantes de 1500 organizações são esperados em Estocolmo para participar nas Jornadas Europeias do Desenvolvimento, onde estarão em foco os esforços da UE para promover o desenvolvimento.

“Cidadãos e desenvolvimento” é o lema das jornadas deste ano, que se centrararão nos efeitos do aquecimento do planeta e da recessão nos países mais pobres.

Embora sejam os que em princípio menos contribuem para isso, estes países são especialmente afectados tanto pela recessão económica como pelas alterações climáticas.

A subida do nível das águas do mar, a desertificação e o aumento da frequência e da gravidade das catástrofes naturais poderiam empurrar milhões de pessoas para situações de pobreza e anular os progressos já realizados em matéria de objectivos de desenvolvimento do Milénio. Além disso, a actual situação económica levou a uma redução das ajudas aos países em desenvolvimento, reduzindo a segurança alimentar em regiões já de si vulneráveis.

Ao reunir políticos, funcionários públicos, ONG, empresários, representantes dos meios académicos, investigadores e os meios de comunicação social, as Jornadas Europeias do Desenvolvimento constituem uma oportunidade para se estabelecer contactos, partilhar experiências e encontrar novos parceiros para projectos de desenvolvimento.

O evento, com uma duração de três dias (a partir de 22 de Outubro), inclui seminários, fóruns de discussão e workshops. No âmbito da “Aldeia do Desenvolvimento”, as organizações têm a oportunidade de se dar a conhecer aos delegados e ao público em geral, e de os sensibilizar para os seus objectivos.

Serão também atribuídos vários prémios relacionados com o desenvolvimento, nomeadamente o prémio de jornalismo Lorenzo Natali destinado a contemplar reportagens sobre questões de direitos humanos, democracia e desenvolvimento.

Mais sobre as Jornadas Europeias do Desenvolvimento

A Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho está centrada na importância da avaliação de riscos para a redução das doenças profissionais.

Outubro 18, 2009

http://osha.europa.eu/pt/teaser/EW_cutting_workplace_ills/image

Constituindo o ponto mais alto da campanha Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis que, durante dois anos, procurou dar a conhecer a importância da avaliação de riscos, a Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho deste ano, que decorrerá de 19 a 23 de Outubro, apresenta um novo relatório, que demonstra que uma boa avaliação dos riscos pode eliminar ou reduzir drasticamente os riscos no trabalho.

Leia o comunicado de imprensa

Que pensam os europeus das suas condições de trabalho?

Outubro 18, 2009

https://i0.wp.com/osha.europa.eu/en/statistics/eu-poll/flags/EU-poll.jpg

Um inquérito de opinião pan-europeu recentemente realizado pela EU-OSHA faculta dados actuais e fiáveis sobre a impressão que as pessoas têm do seu ambiente de trabalho.

De acordo com os resultados do inquérito, de um modo geral, os europeus temem que a actual crise económica possa afectar negativamente a saúde e a segurança no trabalho. A maioria dos europeus considera ainda que a saúde e a segurança no trabalho são um factor importante na escolha de um novo emprego. 

Os resultados do inquérito podem ser consultados em inglês (UE27) ou, por Estado-Membro, nas línguas nacionais.
Consultar os resultados

Um maiato no Brasil faz conferência. Na Maia é esquecido…

Outubro 10, 2009

Daniel Ribas, maiato, um dos autores deste Blogue, é reconhecido pela sua competência de investigador de cinema em vários países, desta vez no Brasil.

Poderá não ser reconhecido na Maia, pelos poderes instituidos, mas está a sê-lo em países estrangeiros e em Portugal, menos na Maia. À consideração do Vereador da Cultura, ninguém está a pedir emprego ou tachos, mas a revelar o que os jovens maiatos podem fazer. Aqui vai um resumo da sua conferência, publicado em jornal brasileiro:

Cinema Português no XIII SOCINE – USP – BRASIL

Já é conhecido o programa da edição deste ano do Encontro Anual da SOCINE, que decorrerá em São Paulo entre 7 e 10 de Outubro próximo.

À semelhança das últimas edições, o cinema português volta a ser tema para diversas apresentações:

Dia 9 de Outubro, 11:30 – 13:15, Sala 6 – CTR
Mesa: Cinema Português
Violência e realismo nos filmes de João Canijo
Daniel Ribas

Resumo:
Esta comunicação pretende discutir a obra decisiva do realizador português João Canijo na sua dimensão estética. Para além da análise do seus filmes, serão contrastados os conceitos de “Escola Portuguesa” e a novíssima geração do cinema português, iniciada nos anos 90. Pretender-se-á esclarecer a forma distintiva da construção cinematográfica e estética do autor, o que implicará, também, a análise da violência (narrativa e gráfica) com que os seus filmes se apresentam.

Resumo Expandido:
João Canijo é, reconhecidamente, um dos novos autores do novíssimo cinema português, conjuntamente com um grupo de realizadores que se impuseram no panorama cinematográfico português, renovando o conceito da “Escola Portuguesa” (e onde se incluem autores como Pedro Costa, Teresa Villaverde, João Pedro Rodrigues ou Miguel Gomes). Esta novíssima geração desenvolveu, desde o início dos anos 90, um conjunto de projectos significativo, alcançando legitimação no circuito dos principais festivais internacionais e procurando uma voz específica no contexto do cinema português. Este movimento autoral marcou a diferença com o cânone estabelecido, optando por novas estratégias temáticas e cinematográficas. É, pois, neste contexto que, nos últimos 10 anos, Canijo desenvolveu um corpus de filmes significativo a nível da crítica e da recepção internacional (esse corpus está representado em quatro longas-metragens: Sapatos Pretos, Ganhar a Vida, Noite Escura e Mal Nascida), de que é paradigma a sua presença consecutiva em duas edições do Festival de Cannes. A sua obra também foi alvo de uma legitimação avassaladora na crítica nacional. Apesar de não pretendermos analisar a complexidade da obra do autor, para simplificarmos, as grandes questões que atravessam o cinema de João Canijo passam, sobretudo, por três vectores essenciais: (1) uma necessidade de fazer, nos seus filmes, um retrato da identidade nacional; (2) a utilização da tragédia grega clássica como suporte textual base para uma adaptação contemporânea; e, finalmente, (3) a sua abordagem cinematográfica e estética. A junção destes três vectores permitem esclarecer a densidade do seu cinema e atribuir uma marca autoral que é devedora de uma tradição do cinema de autor em Portugal. Esta comunicação pretenderá abordar apenas as suas últimas quatro longas-metragens já que constituem, do nosso ponto de vista, a sua fase da maturidade. Esta investigação centrar-se-á no ponto de vista da orientação estética destes filmes, deixando os dois outros vectores nas inter-ligações que, necessariamente, estabelecem com esta orientação. Pretender-se-á, também, fazer uma leitura contextual desta pesquisa com a tradição recente do cinema português – a “Escola Portuguesa” – e com a geração dos anos 90. Em termos sumários, poderemos afirmar que a abordagem estética de Canijo opta por uma construção cinematográfica diversa da usada pela “Escola Portuguesa”, sobretudo devido à sua exigência realista em diferentes planos: a direcção de actores, a construção fotográfica ou a movimentação de câmara (onde se abordará a ideia de um plano sequência fragmentado). Este caminho realista é, sem dúvida, uma característica contemporânea e que atravessa também as tendências do novíssimo cinema português (a partir dos autores que se afirmaram no final da década de 90), mas, em Canijo, opta por uma abordagem própria, sobretudo pela intensidade de todos os meios empregues (e, nesse sentido, tentaremos investigar o conceito de hiper-realismo). Esta dimensão estética implica também, como consequência da sua visão realista e da utilização de tragédias gregas como texto base, uma dimensão violenta, que pretenderemos afirmar como uma característica distintiva do cinema de Canijo. Esta violência passa, é claro, pela estrutura narrativa adoptada, mas também pela dimensão gráfica que esta violência assume no ecrã. Em conclusão, esta comunicação questionará as opções puramente cinematográficas e que envolvem uma carga criativa visual determinante no contexto da obra do realizador.

Bibliografia:
Baptista, Tiago (2008). A Invenção do Cinema Português. Lisboa, Tinta-da-China. Coelho, Eduardo Prado (1983). Vinte Anos de Cinema Português (1962-1982). Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa. Costa, João Bénard da (1991). Histórias do cinema. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Ferreira, Carolin (2007). O Cinema Português Através dos seus Filmes. Porto, Campo das Letras. Ferreira, Carolin Overhoff (2005). “The Adolescent as Postcolonial Allegory: Strategies of Intersubjectivity in Recent Portuguese Films.” Camera Obscura 20(2_59): 35-71. Grilo, João Mário (2006). cinema da não-ilusão. Lisboa, Horizonte. Lemière, Jacques (2006). “«Um centro na margem»: o caso do cinema português.” Análise Social XLI (180): 731-765. Monteiro, Paulo Filipe (2004). “O Fardo de Uma Nação.” Portugal: Um Retrato Cinematográfico. Lisboa, Número – Arte e Cultura.

Mini currículo:
Doutorando e investigador da Universidade de Aveiro (Centro de Línguas e Culturas); é professor do Instituto Politécnico de Bragança (EsACT). Licenciado em Som e Imagem pela Universidade Católica (especialização em Argumento). Durante vários anos foi argumentista free-lancer e gestor de conteúdos de uma produtora audiovisual. Foi também crítico de cinema do jornal “O Primeiro de Janeiro”. É membro da direcção da Associação Portuguesa de Argumentistas (APAD) da qual é editor da sua revista online

Sondagens: Matosinhos (PS ganha) Oeiras (Isaltino ganha) Faro (PS ganha)

Outubro 9, 2009

Matosinhos. Intercampus, 4-7 Out., N=600, Presencial.

PS: 38,6%
Narciso: 29,6%
PSD/CDS-PP: 21,1%
CDU: 4,7%
BE: 3,2%
OBN: 2,8%

Aqui.

Oeiras. Intercampus, 4-7 Out., N=600, Presencial.

Isaltino: 42,0%
PS: 25,0%
PSD/CDS-PP: 19,5%
CDU: 6,8%
BE: 3,6%
OBN: 3,1%

Aqui.

Faro. Intercampus, 3-6 Out., N=600, Presencial

PS: 38,5%
PSD/CDS-PP/PPM/MPT: 36,2%
CDU: 8%
José Vitorino: 6,7%
BE: 6,7%

A soma dá 96,1%.

Fonte: Margens de Erro

Sondagens Porto (Elisa Ferreira sobe) e Lisboa (António Costa ganha)

Outubro 9, 2009

Lisboa. Intercampus, 4-7 Out., N=800, Presencial.

PS: 40,5%
PSD/CDS-PP/MPT/PPM: 36,3%
CDU: 10,5%
BE: 6,0%
OBN: 6,6%

Aqui.

Porto. Intercampus, 4-7 Out., N=800, Presencial.

PSD/CDS-PP: 43,2%
PS: 39,5%
BE: 7,8%
CDU: 7,1%
OBN: 2,4%

Aqui.

Fonte: Margens de Erro

Inquérito: Câmara da Maia e Assembleia Municipal da Maia

Outubro 9, 2009

Câmara da Maia

Votos : 188

Bragança Fernandes (PSD) 33%

Mário Gouveia (PS) – 23%

António Neto (CDU) – 20%

Álvaro Braga Júnior (CDS) – 13%

Silvestre Pereira (BE) – 11%

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA MAIA

VOTOS: 106

Luís Rothes (PS) – 32%

Luciano Gomes (PSD) 25%

Francisco Amorim (BE) – 29%

David Tavares (CDS) – 9%

Márcia Oliveira (CDU) – 5%

Inquérito não cientifico

Qual o político da Maia que merece mais confiança? Resultados de inquérito

Outubro 9, 2009

VOTOS 76

Bragança Fernandes (PSD) – 20%

Mário Nuno Neves (PSD) – 18%

António Neto (CDU) – 17%

Luís Rothes (PS) – 13%

Mário Gouveia (PS) – 11%

Álvaro Braga Junior (CDS) – 7%

Miguel Angelo Rodrigues (PS) – 3%

Silvestre Pereira (BE) – 3%

Inês Rodrigues (PS) – 3%

Luciano Gomes (PSD) – 3%

Silva Tiago (PSD) – 0%

José Manuel Correia (PS) – 0%

Inquérito não cientifico

Inquéritos às Freguesias da Maia

Outubro 9, 2009

ESTE INQUÉRITO NÃO É CIENTIFICO

FREGUESIA DE VILA NOVA DA TELHA

Pinho Gonçalves (Independente) – 54%

Júlio Campos (CDU) – 23 %                                                                      

Paulo Rodrigues (PS) – 23 %

Votos: 115

FREGUESIA DE MILHEIRÓS

 Susana Pinheiro (PS) – 33%

Vitor Fontes (PSD) –  28%

Helena Azevedo (BE) – 24%

 CDU – 10%

 Tito Rafael (CDS) – 5%

Votos: 58

FREGUESIA DE FOLGOSA

Carla Dias (PS) – 41%

CDU – 33 %

Luís Cândido (PSD) – 26%

Votos: 39

FREGUESIA DE GUEIFÃES

Alberto Monteiro (PS) – 30%

Francisco Costa e Silva (BE) – 26%

António Lopes (PSD) – 21%

CDU – 15%

António Sandiares (CDS) – 8%

Votos: 53

FREGUESIA DE ÁGUAS SANTAS

António Teixeira (PS) – 30%

Carlos Vieira (PSD) – 30%

João Valadares Sousa (BE) – 21%

CDU – 19%

Votos: 47

FREGUESIA DE BARCA

Paulo Rocha (PS) – 36%

Luís Filipe de Jesus (BE) – 32%

Armindo Moutinho (PSD) – 21%

CDU – 11%

Votos: 47

FREGUESIA DA MAIA

Adão Bastos (PS) – 36%

Carlos Teixeira (PSD) – 24%

José Inácio (BE) – 24%

CDU – 16%

Votos: 45

FREGUESIA DE NOGUEIRA

Ilidio Carneiro (PSD) – 31%

Daniel Teixeira (PS) – 28%

Ernesto Pinto (BE) – 23%

CDU – 18%

Votos: 39

FREGUESIA DE GEMUNDE

Manuela Nunes (PS) – 31%

Eugénio Teixeira (PSD) – 31%

Bruno Moreira (BE) – 20%

CDU – 18%

Votos: 45

FREGUESIA DE MOREIRA

Albino Maia (PSD) – 29%

Paulo Ribeiro (BE) – 29%

Miguel Silva (PS) – 24%

CDU – 18%

Votos: 51

FREGUESIA DE GONDIM

Fernando Ferreira (PS) – 33%

Mário Freitas (PSD) – 24%

Joaquim Rodolfo Maia (BE) – 22%

CDU – 15%

Helder Silva (CDS) – 7%

Votos: 46

FREGUESIA DE PEDROUÇOS

Serafim Alberto (PS) – 29%

CDU – 26%

Joaquim Araújo (PSD) – 23%

André Neves (BE) – 23%

Votos: 35

FREGUESIA DE VERMOIM

Aloisio Nogueira (PSD) – 29%

Guilherme Soares (PS) – 25%

Rogério Nunes (BE) – 20%

José Carlos Leitão (CDS) – 14%

CDU – 12%

Votos: 51

FREGUESIA DE SILVA ESCURA

Rui Correia (PS) – 29%

José Sousa Dias (PSD) – 26%

Tiago Loureiro (BE) – 26%

CDU: 20%

Votos: 35

FREGUESIA DE S. PEDRO DE FINS

Joaquim Gonçalves (PSD) – 29%

David Ferreira (PS) – 29%

André Amorim (BE) – 23%

CDU: 20%

Votos : 35

FREGUESIA DE SANTA MARIA DE AVIOSO

Isabel Quelhas (PS) – 35%

Hamilton Prata (PSD) – 22%

Carlos Manuel Oliveira (BE) – 22%

CDU – 16%

José Manuel Soares (CDS) – 5%

Votos: 37

FREGUESIA DE S. PEDRO DE AVIOSO

Joaquim Lopes (PS) – 34%

Guilherme Maia (PSD) – 26%

Angelina Viagem (BE) – 21%

CDU – 13%

José Bernardino Cunha (CDS) – 5%

Votos: 38

Os inquéritos do blogue ARRASTÃO, sobre Autárquicas. Na Maia ganharia Mário Gouveia (PS)

Outubro 9, 2009

E chega ao fim o nosso inquérito sobre as autárquicas, que contou com uma participação record dos leitores. Foram, como se disse, escolhidos os concelhos com mais de cem mil habitantes e/ou as sedes de distrito. Mais uma vez, como se sabe, os resultados têm um desvio à esquerda, como é habitual neste blogue. No entanto, apesar disso, este inquérito teve muita publicidade em blogues regionais e começou quando Arrastão atingiu uma das suas maiores audiências por dia (que chegou aos 6.000/7.000 visitantes por dia). Assim, esse desvio, como se vê pelas votações no BE e na CDU nos maiores concelhos, é menor do que o costume.

A maioria cumpriu o pedido feito (votar apenas no seu concelho), outros, infelizmente, não. Fazendo cálculos através do que fui observando na evolução dos votos, terão sido cerca de 300 a votar em todos os concelhos e cerca de 400 são entradas em massa de votos, em apenas dois cutros períodos de dois dias, todos no mesmo candidato de Oeiras. O que explica, aliás, o fenómeno estranho daquele concelho ser o que mais votos tem: mais do que Lisboa ou Porto. No início da votação também houve entradas de votos desproporcionadas e concentradas no tempo no mesmo partido, em igual número, em todos os concelhos.

Apesar de terem sido registados mais de 24.000 votos, as minhas contas apontam para cerca de 9.000 votantes. Assim, os resultados nos concelhos mais pequenos e com menor número de votantes (em que uma parte susbtancial serão dos cerca 300 votantes que votando em todos ou quase todos os concelhos mais do que duplicaram o verdadeiro o número de votos) são menos confiáveis do que os dos maiores. Nos mais pequenos, por o peso dos que votaram em todos ser maior e o peso da esquerda dos leitores do Arrastão se notar mais, as votações do BE, da CDU e do PS estarão inflaccionadas. E no caso dos dois primeiros isso nota-se nos concelhos mais pequenos do norte. Ainda assim, não sendo uma sondagem, este inquérito é um bom indicador para quem se recorde de outras votações no Arrastão.

Para além dos resultados, acrescentei as minhas precisões e algumas sondagens. Assim, a sublinhado, está o candidato que prevejo que seja eleito presidente de câmara (dois, quando a luta pode ser renhida). Isto, baseado no que vou sabendo e nas sondagens que foram saindo. Nos casos em que há sondagens, foi posto um link em baixo para a respectiva página da Marktest que as está a compilar.

Primeiro os resultados dos concelhos em que votaram mais de 600 leitores:

Lisboa
António Costa* (PS) (49%, 663)
Santana Lopes (PSD/CDS/PPM/MPT) (28%, 379)
Rúben de Carvalho (CDU) (12,4%, 168)
Luís Fazenda (BE) (10,5%, 142)
(1.352 votantes)
Sondagem

Porto
Rui Rio* (PSD/CDS) (36,2%, 362)
Elisa Ferreira (PS) (35,4%, 354)
Rui Sá (CDU) (15,8%, 158)
João Teixeira Lopes (BE) (12,7%, 127)
(1.001 votantes)
Sondagem

Almada
Maria Emília Sousa* (CDU) (37,3%, 321)
Paulo Pedroso (PS) (30,7%, 264)
Jorge Pedroso de Almeida (PSD) (15,6%, 134)
Helena Oliveira (BE) (12,3%, 106)
Fernando Pena (CDS) (4,2%, 36)
(861 votantes)

Amadora
Joaquim Raposo* (PS) (31,2%, 217)
António João Carixas (CDU) (24,9%, 173)
Jorge Roque da Cunha (PSD/CDS/PPM) (24,4%, 170)
Helena Pinto (BE) (16,8%, 117)
José Alves dos Santos (Ind) (1,6%, 11)
Francisco Pereira (Ind) (1,1%,8)
(696 votantes)

Braga
Ricardo Rio (PSD/CDS/PPM) (36,7%, 301)
Mesquita Machado* (PS) (29,7%, 243)
João Delgado (BE) (15,9%, 130 Votes)
António Rodrigues Dias (CDU) (15,6%, 128)
Miguel Brito (MPT) (2,1%, 17)
(819 votantes)
Notícia de sondagem

Cascais
António Capucho* (PSD/CDS) (36,9%, 259)
Leonor Coutinho (PS) (30,1%, 211)
Pedro Mendonça (CDU) (17,7%, 124)
Rita Calvário (BE) (15,4%, 108)
(702 votantes)

Coimbra
Álvaro Seco (PS) (26,1%, 220)
Carlos Encarnação* (PSD/CDS/PPM) (25,3%, 213)
Pina Prata (Ind) (17%, 143)
Francisco Queirós (CDU) (15,9%, 134)
Catarina Martins (BE) (15,8%, 133)
(843 votantes)

Faro
José Apolinário* (PS) (34,8%, 255)
Macário Correia (PSD/CDS/PPM/MPT) (30,8%, 226)
António Mendonça (CDU) (16%, 117)
João Brandão (BE) (14,3%, 105)
José Vitorino (Ind) (4,1%, 30)
(733 votantes)
Sondagem

Gondomar
Isabel Santos (PS) (28,7%, 176)
Valentim Loureiro* (Ind) (20,6%, 126)
Rui Quelhas (PSD/CDS) (18,8%, 115)
Cristina Nogueira (CDU) (17,3%, 106)
Paula Canotilho (BE) (14,7%, 90)
(613 votantes)

Guimarães
António Magalhães* (PS) (36,9%, 229)
Vítor Ferreira (PSD) (21,3%, 132)
Salgado Almeida (CDU) (19,8%, 123)
Alberto Fernandes (BE) (14,8%, 92)
Rui Barreira (CDS) (7,2%, 45)
(621 votantes)

Matosinhos
Guilherme Pinto (PS) (27,1%, 206)
José Guilherme Aguiar (PSD/CDS) (23,6%, 180)
Narciso Miranda (Ind) (19,8%, 151)
Honório Novo (CDU) (18%, 137)
Fernando Queirós (BE) (11,4%, 87)
(761 votantes)
Sondagem

Oeiras
Isaltino Morais* (Ind) (53,3%, 795)
Marcos Perestrello (PS) (19,4%, 290)
Isabel Meirelles (PSD/CDS/PPM) (11,8%, 176)
Amílcar Silva Campo (CDU) (8,6%, 128)
Francisco Silva (BE) (6,8%, 102)
(1.491 votantes)
Sondagem

Sintra
Ana Gomes (PS) (35,2%, 251)
Fernando Seara* (PSD/CDS/MPT/PPM) (33,5%, 239)
Baptista Alves (CDU) (17,2%, 123)
André Beja (BE) (14%, 100)
(713 votantes)

Vila Nova de Famalicão
Armindo Costa* (PSD/CDS) (36,9%, 225)
Reis Campos (PS) (31,2%, 190)
Daniel Sampaio (CDU) (18,2%, 111)
Ana Marcelino (BE) (13,6%, 83)
(609 votantes)

Vila Nova de Gaia
Luís Filipe Menezes* (PSD/CDS) (36,8%, 261)
Joaquim Couto (PS) (25,1%, 178)
João Semedo (BE) (17,5%, 124)
Ilda Figueiredo (CDU) (17,2%, 122)
Nuno Aldeia (MPT) (3,4%, 24)
(709 votantes)
Sondagem

Os restantes, que registaram menos de 600 votos:

Aveiro
Élio Maia* (PSD/CDS) (29,6%, 174)
José Costa (PS) (29,5%, 173)
António Moreira (CDU) (21,8%, 128)
Catarina Gomes (BE) (19,1%, 112)
(587 votantes)
Sondagem

Barcelos
Miguel Costa Gomes (PS) (29,9%, 178)
Fernando Reis* (PSD) (25,2%, 150)
Mário Figueiredo (CDU) (20,3%, 121)
Luís Santos (BE) (16,3%, 97)
António Jorge Silva Ribeiro (CDS) (4,9%, 29 Votes)
Alfredo Côrte-Real (PPM) (3,5%, 21)
(596 votantes)

Beja
Francisco Santos* (CDU) (38,4%, 225)
Jorge Pulido Valente (PS) (33,5%, 196)
João Lemos (BE) (10,2%, 60)
Pires dos Reis (PSD) (9,4%, 55)
Ismael Pimentel (CDS) (4,9%, 29)
Dulce Amaral (Ind) (3,6%, 21)
(586 votantes)

Bragança
Jorge Gomes (PS) (28,2%, 161)
Jorge Nunes* (PSD) (24,6%, 140)
José Castro (CDU) (18,6%, 106)
Liliana Fernandes (BE) (17,5%, 100)
Guedes de Almeida (CDS) (7,9%, 45)
Humberto Rocha (Ind) (3,2%, 18)
(570 votantes)

Castelo Branco
Joaquim Morão* (PS) (35,5%, 201)
Manuel Sousa Eusébio (PSD) (21,9%, 124)
Francisco Costa (CDU) (20,5%, 116)
Gonçalo Fabrício (BE) (15,9%, 90)
Luís Paixão (CDS) (6,2%, 35)
(566 votantes)

Évora
Eduardo Luciano (CDU) (36,4%, 196)
José Ernesto Oliveira* (PS) (33,1%, 178)
Miguel Sampaio (BE) (13,2%, 71)
António Costa Dieb (PSD) (13%, 70)
Luís Madeira (CDS) (4,3%, 23)
(538 votantes)

Funchal
Rui Caetano (PS) (28,7%, 162)
Miguel Albuquerque* (PSD) (25,5%, 144)
Artur Andrade (CDU) (17,5%, 99)
Rodrigo Trancoso (BE) (14,7%, 83)
Gil Canha (PND) (8,9%, 50)
Lino Abreu (CDS) (4,8%, 27)
(565 votantes)

Guarda
Joaquim Valente* (PS) (38,4%, 205)
Crespo de Carvalho (PSD) (23,6%, 126)
Honorato Robalo (CDU) (18,9%, 101)
Jorge Noutel (BE) (14%, 75)
Cláudia Teixeira (CDS) (5,1%, 27)
(534 votantes)

Leiria
Raúl Castro (PS) (31,1%, 181)
Isabel Damasceno* (PSD) (28,2%, 164)
Mário Brites (CDU) (17,2%, 100)
José Peixoto (BE) (16,7%, 97)
António Martinho (CDS) (6,9%, 40)
(582 votantes)

Loures
Paulo Piteira (CDU) (35,3%, 181)
Carlos Teixeira* (PS) (32,2%, 165)
Maria Geni Veloso (PSD) (14,2%, 73)
Vítor Franco (BE) (13,3%, 68)
Mário Teixeira do Carmo (CDS) (4,9%, 25)
(512 votantes)

Maia
Mário Gouveia (PS) (28,1%, 150)
Bragança Fernandes (PSD) (27,6%, 147)
António Neto (CDU) (18,6%, 99)
Silvestre Pereira (BE) (18%, 96)
Braga Júnior (CDS) (7,7%, 41)
(533 votantes)

Odivelas
Susana Amador* (PS) (33,5%, 182)
Hernâni Carvalho (PSD/CDS) (27,4%, 149)
Ilídio Ferreira (CDU) (26,3%, 143)
António Rodrigues (BE) (12,9%, 70)
(544 votantes)

Ponta Delgada
Paulo Casaca (PS) (28,2%, 127)
Berta Cabral* (PSD) (27%, 122)
Carlos Ribeiro (CDU) (19,3%, 87)
Lúcia Arruda (BE) (19,1%, 86)
Eduardo Medeiros (CDS) (64%, 29)
(451 votantes)

Portalegre
José Escarameia de Sousa (PS) (37%, 196)
José Máta Cáceres* (PSD) (24,9%, 132)
Hugo Capote (CDU) (22,5%, 119)
Marco Ferreira (BE) (12,8%, 68)
Hélio Pereira (CDS) (2,6%, 14)
(529 votantes)

Santa Maria da Feira
Alcides Branco (PS) (29,4%, 137)
Alfredo Henriques* (PSD) (28,5%, 133)
Antero Resende (CDU) (19,5%, 91)
Joaquim Dias (BE) (18%, 84)
Alferes Pereira (CDS) (4,5%, 21)
(466 votantes)

Santarém
Moita Flores* (PSD) (31,8%, 173)
António Carmo (PS) (27,2%, 148)
José Marcelino (CDU) (20,2%, 110)
Carlos Marecos (BE) (13,6%, 74)
Tiago Leite (CDS) (7,2%, 39)
(544 votantes)

Seixal
Alfredo Monteiro da Costa* (CDU) (38,4%, 202)
Samuel Cruz (PS) (26,6%, 140)
Paulo Edson Cunha (PSD) (18%, 95)
Luís Cordeiro (BE) (12,7%, 67)
João Carlos Noronha (CDS) (4,2%, 22)
(526 votantes)

Setúbal
Maria das Dores Meira* (CDU) (37%, 211)
Teresa Almeida (PS) (27,9%, 159)
Jorge Santana (PSD) (14,4%, 82)
Albérico Afonso (BE) (13,2%, 75)
Carlos Gomes (MRPP) (4%, 23)
João Viegas (CDS) (3,5%, 20)
(570 votantes)
Sondagem

Viana do Castelo
José Mário Costa (PS) (34,1%, 177)
António Carvalho Martins (PSD/CDS) (28.3%, 147)
António Silva (CDU) (19,8%, 103)
Jorge Teixeira (BE) (17,7%, 92)
(519 votantes)

Vila Franca de Xira
Maria da Luz Rosinha* (PS) (31,9%, 161)
Nuno Libório (CDU) (28,4%, 143)
João de Carvalho (PSD/CDS/PPM/MPT) (25,2%, 127)
Carlos Patrão (BE) (14,5%, 73)
(504 votantes)

Vila Real
Rui Santos (PS) (30,3%, 131)
Manuel Martins* (PSD) (28,2%, 122)
José Caldeira (CDU) (20,4%, 88)
Carlos Gomes (BE) (16,7%, 72)
Patrique Alves (CDS) (4,4%, 19)
(432 votantes)

Viseu
Fernando Ruas* (PSD) (30,2%, 164)
Miguel Ginestal (PS) (26,3%, 143)
Graça Pinto (BE) (18,6%, 101)
Helena Neves (CDU) (18,2%, 99)
Francisco Mendes da Silva (CDS) (6,6%, 36)
(543 votantes)

Outros concelhos
PS (32,1%, 289 Votes)
PSD (ou PSD/CDS) (23%, 207 Votes)
CDU (19%, 171 Votes)
BE (15,2%, 137 Votes)
CDS (5,2%, 47 Votes)
Lista independente (3,3%, 30 Votes)
(901 votantes)

Matosinhos: Sondagem, Guilherme Pinto (PS) ganha eleições

Outubro 8, 2009

Matosinhos. Aximage, 4-6 Out., N=500, Tel.

Tal como divulgada:
PS: 40,7%
Narciso Miranda: 22,3%
PSD/CDS-PP: 18,1%
BE: 6,3%
CDU: 3,9%
OBN: 3,4%
Indecisos: 5,3%

Após redistribuição proporcional de indecisos:
PS: 43,0%
Narciso Miranda: 23,5%
PSD/CDS-PP: 19,1%
BE: 6,7%
CDU: 4,1%
OBN: 3,6%

Para a Câmara da Maia o BEM COMUM apela ao voto em Mário Gouveia (PS)

Outubro 8, 2009

https://i0.wp.com/www.mariogouveia2009.com/dynamicFiles/news_117.jpg

Para a Assembleia Municipal da Maia, o BEM COMUM apela ao voto em Luís Rothes (PS)

Outubro 8, 2009

https://i0.wp.com/www.mariogouveia2009.com/dynamicFiles/news_114.jpg

Autárquicas: Em S. Pedro de Fins o BEM COMUM apela ao voto em David Ferreira (PS)

Outubro 8, 2009

EM S. PEDRO DE FINS VOTE DAVID FERREIRA (PS)

Autárquicas: Em Barca o BEM COMUM apela ao voto em Paulo Rocha (PS)

Outubro 8, 2009

EM BARCA VOTE EM PAULO ROCHA DO PARTIDO SOCIALISTA!

Autárquicas: Em Folgosa (Maia), O BEM COMUM apela ao voto em Carla Dias (PS)

Outubro 8, 2009

VOTE EM FOLGOSA EM CARLA DIAS, CANDITADA DO PS PARA A JUNTA DE FREGUESIA.