Archive for Junho, 2008

Relatório Anual da Área Inspectiva 2007

Junho 30, 2008

A elaboração, pela Autoridade para as Condições do Trabalho, deste relatório visa dar cumprimento a uma obrigação internacional assumida por Portugal.

Poderá aqui consultar o Relatório Anual da Área Inspectiva 2007

Elisa Ferreira é candidata à Câmara do Porto

Junho 30, 2008

Confirma-se Elisa Ferreira é candidata à Câmara do Porto.

Um blogue a consultar obrigatóriamente

Junho 30, 2008

LADRÕES DE BICICLETAS

VER AQUI

Porque muito procurada, aqui fica novamente: Iman Maleki

Junho 30, 2008

https://bemcomum.files.wordpress.com/2007/06/pintor-iraniano123.jpg

Em resposta a Fernando Moreira de Sá:sobre o candidato do PS

Junho 30, 2008

1.- É de mau gosto a posição do IM, orgão oficioso de alguém, a comparação que faz, até parece que estará com medo;

2.- É natural porque quando todas as sondagens dão um crescimento da esquerda na Maia;

3.- O BEM COMUM não disse que o senhor da fotografia era o candidato, e o IM poderá estar muito enganado;

4.- Mas o mínimo que FMS era que não estabelecesse comparações entre duas pessoas que nada têm uma com a outra;

5.- FMS sabe que a insinuação pode causar problemas maiores do que os que pensa, nós não podemos dizer tudo que nos vem à cabeça, numa noite, sobretudo a mentira sobre uma pessoa.

JOGO ALEMANHA – ESPANHA

Junho 29, 2008

VER AQUI

Relatório Conjunto sobre Protecção Social e Inclusão Social 2008

Junho 29, 2008

Já leu o “Relatório Conjunto sobre Protecção Social e Inclusão Social 2008, elaborado pelo Conselho da União Europeia?

 

Veja AQUI

 

Serralves escolhe Oliveira

Junho 29, 2008

Não podemos esperar. Serralves estás prestes a inaugurar uma exposição dedicada a Manoel de Oliveira, por ocasião da comemoração dos 100 anos do realizador.

Eis a descrição no site de Serralves:

MANOEL DE OLIVEIRA

12 Jul – 02 Nov 2008 – MUSEU

Esta primeira mostra do trabalho do cineasta no formato expositivo centrar-se-á no modo como Manoel de Oliveira reinventou o cinema através de uma linguagem que lhe é única. Paralelamente está programado um ciclo de cinema, onde serão exibidos no Auditório do Museu de Serralves todos os filmes que Manoel de Oliveira realizou até ao momento.

Comissariado: João Bénard da Costa / João Fernandes
Produção: Fundação de Serralves

Crónica publicada hoje no Jornal O Primeiro de Janeiro

Junho 29, 2008

ÁGUA VIVA

DANIEL, BISPO

Quando, por amor a Jesus, embarcou para Moçambique, para a Diocese de Libombos, um grupo de jovens, fez a despedida. Fui eu que li o discurso. O Bispo Anglicano, D. Daniel de Pina Cabral, acabava de deixar a Administração do então Banco Português do Atlântico, para embarcar para terras de África. E isso foi um acto de dedicação total à Igreja e a Jesus. Lembro-me que, estava eu em casa do actual Bispo da Igreja Lusitana, do seu sorriso porque o Livro de Liturgia, que tanto trabalho, gratuito, lhe deu a compilar, estava pronto, e aí em dádiva plena continuava a trabalhar. Até me perguntou, e à Lena, se não era melhor, se o Pai-nosso, no “mas livra-me do mal”, o “mas” não estaria a mais! E assim foi em vez de “mas”, colocou “e livra-nos do mal”. Foi meu professor de Espiritualidade Anglicana, e lembro-me das lições que dava. Até os retiros que fizemos, com a direcção de um padre católico de Braga, não nos deixou pagar. De uma entrega total ao Evangelho.

Convictamente ecuménico, tudo entregava pela unidade, este Bispo, um dos melhores teólogos anglicanos do mundo, era Bispo resignatário de Gibraltar, e com a sua idade ainda percorria as paróquias da Igreja Lusitana (Anglicana), para celebrar. Sobretudo, para além do espírito prático ecuménico, sem qualquer espécie de proselitismo, o que mais me impressionava em Daniel de Pina Cabral, era o seu sentido muito profundamente espiritual que dava na seu caminhada nesta humanidade. Incompreendido por muitos, atacado violentamente, só porque era ecuménico, fazia de qualquer pessoa a criação de Deus. Pároco de diversas comunidades da Igreja Lusitana, o Bispo Pina Cabral levou a cabo reformas profundas, ora no louvor a Deus, como a liturgia, ora nos templos, deixando um profundo sentido de obras de arte, para melhor glorificar o Senhor. Faleceu esta semana, partiu ao encontro do Senhor a quem doou a vida, e deixou uma obra incalculável. Por isso esta minha humilde homenagem, ao Homem que um dia encontrarei. Obrigado Senhor, por Homens com este!

Joaquim Armindo

Licenciado em Ciências Religiosas

jarmindo@clix.pt

http://www.bemcomum.wordpress.com

Escreve no JANEIRO quinzenalmente.

Meu caro Fernando Moreira de Sá

Junho 28, 2008

Pensamos que também temos direitos adquiridos de sermos informados sobre as actividades na Maia.

Em vez de enviar para um só blogue, coloque lá também o BEM COMUM.

O candidato à Câmara Municipal da Maia, do PS

Junho 28, 2008

Muitos dos nossos leitores nos têm interrogado sobre quem será o candidato.

O BEM COMUM sabe quem é o candidato à Câmara Municipal da Maia, pelo PS, assim como o candidato à Câmara Municipal do Porto, mas reserva-se no direito de não os revelar, até a direcção partidária o fazer.

Os dois candidatos têm curriculum como Presidentes de Câmara, e são muito bons nomes para vencer na Maia e no Porto.

POR ISSO, ESTAMOS UNIDOS PARA UMA CANDIDATURA DESTAS FORTE PARA A CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA. O CANDIDATO TEM PROVAS DADAS!

Speed Racer

Junho 28, 2008

Speed Racer
o segredo da família
(artigo publicado na edição de Quinta-Feira de «O Primeiro de Janeiro»)

O cinema de imagem real mais infantil de Hollywood sempre foi um cinema muito conformado e conservador, de forma a que estes filmes se tornem os filmes de Domingo à tarde nas televisões generalistas. Aqui em Portugal, esse tipo de filmes é de reconhecimento óbvio, já que os Domingos em família têm obrigatoriamente que passar estas histórias. Ver estes filmes em cinema é, por isso, um exercício penoso, já que as narrativas são amontoados de clichés e estereótipos de como viver em sociedade. Um dos exemplos mais claros deste tipo de cinema estreia hoje nas salas portuguesas e promete ser um dos blockbusters do Verão: trata-se de «Speed Racer», um filme adaptado da série homónima de televisão, realizado pela dupla dos irmãos Wachowsk, os mesmos que foram responsáveis pela trilogia «Matrix».

A narrativa do filme assegura que os objectivos são alcançados: Speed Racer é um corredor jovem, que ainda corre com um carro (o Mach 5) desenhado e construído pelo pai. O negócio, por isso, mantém-se na família. Contudo, a família ainda vive com um choque: a morte do irmão de Speed (Rex Racer), há muitos anos atrás, quando conduzia o seu carro. Speed já se mostra tão rápido como o irmão e, por isso, é aliciado pelas Royalton Industries, uma grande empresa que produz carros e representa corredores. Contudo, Speed quer manter o negócio da família e rejeita a proposta, enfurecendo o dono da empresa. Ao mesmo tempo, a autoridade do Desporto propõe a Speed correr uma mítica corrida (The Crucible) com o propósito de desmascarar as ilegalidades cometidas pela Royalton. Speed irá mostrar que é um piloto fantástico e irá conhecer o Racer X, um estranho corredor que se esconde atrás de uma máscara e que também é um agente da Autoridade do Desporto.

Na verdade, apesar de haver uma tentativa para organizar uma história, «Speed Racer» organiza-se de outra forma: em três grandes corridas distintas (uma no início, outra no meio e uma última no fim. Mas a única ideia que o filme pretende passar é a de que a família é o mais importante, custe o que custar. Nesse sentido, o filme é feito de um paradoxo constante: se, por um lado, há um clara divisão entre bons e maus (aqui personificados pela família/os bons; e as grandes empresas/os maus); por outro lado, «Speed Racer» é feito por uma grande empresa com o único propósito de fazer dinheiro. Nesse sentido, a constante moralidade do filme, colocada sobre o ponto de vista de uma óbvia divisão entre os heróis e os vilões, é questionada sob a forma como é produzida, promovida e vendida aos espectadores. Nada mais paradigmático de uma certa forma de actuação das grandes empresas.

Por isso, é que «Speed Racer» é um vulgaríssimo filme de Domingo à tarde, feito para encher as salas de cinema durante um mês, mas para depois cair no esquecimento. É, pois, um filme infantil, para audiência juvenis e sem quaisquer propósitos de questionamento. Nesse sentido, a moralidade pretende prolongar o “status-quo” da família, o que, em si, é um próprio paradoxo, já que a família Racer é tudo menos uma família equilibrada. Muitas vezes, este álibi da família parece-se com “O Segredo”, esse fenómeno de descoberta da felicidade que, no último ano, tem inundado o mercado cultural. É como se «Speed Racer» prolongasse as ideias substanciais dessa filosofia, a saber: afinal de contas, basta apenas “visualizar” o desejo para o conseguir. Tal como as corridas de Speed, sempre constantes jogos de ilusões sobre os veículos que correm desvairadamente.

Provavelmente, muitos falarão dos “efeitos especiais”, razão máxima para a presença dos irmãos Wachowski no filme. Mas esse é um engano puro. Sim, há muitos efeitos e muito bem feitos, mas esse molde serve apenas para contar a mesma história de sempre. Que desilusão é ver este “cinema”…

«Speed Racer» («Speed Racer»). Um filme de Andy Wachowski e Larry Wachowski, com Christina Ricci, John Goodman, Susan Sarandon e Matthew Fox. Estados Unidos, 2008, Cores, 135 min
Site Oficial: http://speedracerthemovie.warnerbros.com/

Crónica publicada hoje no Jornal Primeira Mão

Junho 27, 2008

DOS DISCURSOS E PRÁTICAS

Quem esteve atento aos discursos produzidos no último Congresso dos neo-liberais do PSD, parecia que estava a ouvir ao últimos produzidos há meses pelo então líder eleito Filipe Menezes. Quer o discurso da Dr.ª Manuela Ferreira Leite, ao abrir o congresso, quer no seu encerramento, nada trouxe de novo. Foram palavras e palavras, a lembrar a sua passagem pelas Finanças ou Educação. Nós, aqueles que pertencemos ao povo, já nos vamos habituando a estes discursos, que até já não ouvimos com a predisposição necessária, dado que passando à prática, produz o mesmo efeito que há anos produziram, isto é, conduzir o país para um abismo incontornável e sem quaisquer efeitos práticos, a não ser mentiras sobre a nossa economia. Quando se está de fora, na oposição, tudo vamos prometendo e atacando o dito “adversário”, neste caso o PS, mas sem qualquer solução para o desenvolvimento sustentável de Portugal. O próprio congresso não traduziu nenhuma tendência social-democrata, até porque esta e o socialismo residem no Partido Socialista, mesmo aqueles que agora estão na oposição à Dr.ª Ferreira Leite são incompatíveis com qualquer caminho social-democrata, ou mesmo de democracia humanista, dita cristã. Os ataques ao actual governo socialista fizeram-se com palavras, mas de soluções concretas para os problemas que atravessamos nada, foi um árido deserto, aliás reconhecido até por elementos do PPD. É necessário conhecer o percurso das pessoas quando estão no poder, como a actual líder do PSD, e depois retirar as devidas conclusões do que iria ser o seu trajecto quando, se porventura, ganhasse as eleições legislativas. Para quem está na oposição é simples discursar, mas para quem já teve o poder deveria ser mais contida, os problemas reais não se resolvem por tiradas populistas, mais ou menos de semblante sério, mas de arrojadas soluções que passam sempre por credíveis disposições. O que não é caso, a Dr.ª Ferreira Leite já demonstrou o seu mutismo e autismo aquando ministra das finanças e sua insensibilidade, para os problemas dos mais carenciados, não venha agora com palavras, porque essas leva-as o vento, como diz a sabedoria popular.

Tudo isto a respeito dos discursos e consequentes práticas. Estamos habituados a discursos inflamados, e não é por falar como ela fala que deixam de ser inflamados, e a práticas nas suas antípodas. Os políticos deveriam ter mais consideração para com as pessoas quando discursam, prometendo aquilo que sabem ser impossível. Para o PS e o seu governo, não existe nenhum problema em que o PSD, ou outro partido da oposição o faça de forma violenta, porque tal só ajuda a governar bem, mas não parece ser o caso, dado que a líder do PSD tem que colocar a casa em ordem, até porque não possui de uma maioria confortável, e isso leva muito tempo e capacidade. Quem já demonstrou ao país, quando governante, não ser capaz de tal, muito dificilmente se moverá nas águas turvas que os lugares apetecíveis, vagueiam naquele partido. Pelas práticas é que nós conhecemos quem são os melhores governantes, e não pelos discursos sempre impregnados de ilusões de óptica. É bem, para nós nortenhos, determinante que a nova líder tenha escolhido como um dos seus principais dirigentes Rui Rio, aquele que é avesso á cultura e tudo faça para o emergir duma ruptura cultural, a lembrar velhos tempos. Talvez este seja um sinal, bem determinante, de quem nada vem trazer ao país, o que não admira, sabendo que a matriz neo-liberal da economia aí estaria novamente, abafando as legitimas aspirações das populações. Os trabalhadores, os jovens, os idosos, os mais carenciados e marginalizados, nada terão se, por acaso, a Dr.ª Manuela Ferreira Leite fosse primeira-ministra, teríamos a arrogância dos números e o semblante carregado de quem discursa, mas da sua prática faz um outro sentido de vida. E é a vida que está em causa, esta que nos leva a uma sociedade outra, e que os estes caminhos ínvios da líder do PSD não consegue lá chegar. Ouvi os discursos, vi que serão palavras, sem uma prática consistente.

Joaquim Armindo

Militante do PS

PS Maia: Apresenta um forte candidato à Câmara

Junho 27, 2008

O BEM COMUM está em condições de afirmar que o PS da Maia vai apresentar um forte candidato à Câmara Municipal da Maia.

A aposta recai sobre um dos seus militantes prestigiado, ao nível do Norte do País, e do próprio País.

Com a subida que a esquerda está a ter na Maia, e uma descida da actual maioria, é mesmo possível que o PS da Maia venha a conquistar a Câmara Municipal.

Podem os socialistas da Maia, todos juntos, conquistar pela segunda vez a Câmara Municipal.

Junho 26, 2008

 

Veja aqui a Síntese – Proposta de Acordo Tripartido para um Novo Sistema de Regulação das Relações Laborais, das Políticas de Emprego e da Protecção Social em Portugal

Noticias da Europa

Junho 25, 2008

 Em 23 de Junho, abriram as inscrições para um catálogo dos organismos que procuram influenciar a elaboração das políticas europeias.

Representando os interesses específicos da sua organização junto dos decisores da UE, as actividades dos lobistas abrangem a elaboração e o envio de cartas e documentos de informação ou de defesa de posição e a organização de eventos.

Tais actividades constituem um elemento importante do sistema democrático, pois asseguram que os responsáveis políticos têm conhecimento do efeito que as suas decisões podem ter nos vários sectores da população. O novo registo europeu dos representantes de interesses destina-se a introduzir mais transparência neste domínio.

O registo é totalmente voluntário, mas as organizações que decidirem inscrever-se deverão explicar quem são, quais os seus objectivos e quais os seus domínios de interesse. Deverão igualmente comunicar informações de carácter financeiro, a fim de serem claras as forças que estão por trás da actividade de representação de determinados interesses. Todas as informações serão tornadas públicas.

No momento do registo, os representantes de interesses devem assinar um código de conduta que rege as suas relações com o pessoal da Comissão. Assim, assegura-se que todos os lobistas cumprem as mesmas regras e estão sujeitos à mesma avaliação independente, aos mesmos procedimentos e sanções. Não existem quaisquer privilégios ligados ao registo, com excepção da promessa de um alerta por correio electrónico sempre que a Comissão lançar uma consulta pública.

O registo integra-se na iniciativa europeia em matéria de transparência, destinada a reforçar a responsabilização, incluindo o conhecimento sobre a forma como o orçamento da UE é dispendido. Espera-se que, no futuro, o registo seja alargado de forma a cobrir também o Parlamento Europeu e o Conselho de Ministros.

De um leitor: SMEAS MAIA

Junho 25, 2008
Exmo. Sr. J. Armindo.
Venho relembrar os Leitores do Bloog para o facto de o prazo para reaver a caução do contador de Agua que termina a 30 deste Mês, faltam 3 dias úteis.
consultem a lista de clientes dos SMEAS-MAIA para verem se constam nas mesmas
Aproveitando este E-mail convido os visitantes do Bloog a lerem os comentários com o titulo ( TEXTO RATADO ) e assim ficarem com a verdade dos factos.
Sem mais de momento os meus respeitosos cumprimentos.
25-6-08
João Couto Lopes

Funeral do Bispo D. Daniel de Pina Cabral

Junho 24, 2008
Após um período de internamento no hospital, faleceu ontem (dia 23) o Bispo D. Daniel de Pina Cabral. Foi um homem muito devoto à Igreja e deixa-nos o exemplo de uma grande vida espiritual. O seu funeral realiza-se Quarta-feira dia 25, pela 10 horas na Igreja Lusitana de S. João Evangelista onde o corpo se encontra em câmara ardente. Hoje (dia 24), pelas 22 horas terá lugar o serviço anterior ao funeral.
O funeral realiza-se na Igreja do Torne, em Vila Nova de Gaia, perto da Câmara Municipal de Gaia. Hoje pelas 22 horas terá lugar o serviço anterior ao funeral.

Faleceu D. Daniel de Pina Cabral

Junho 24, 2008

Faleceu ontem D. Daniel de Pina Cabral, Bispo Anglicano, muito conhecido pelas suas posições ecuménicas.

Meu antigo professor, de Espiritualidade Anglicana, sempre foi um homem devotado à Igreja. Autor do Livro de Liturgia da Igreja Lusitana (Comunhão Anglicana), foi Bispo da Diocese dos Libombos, em Moçambique, e constituía um dos mais esclarecidos teólogos anglicanos do mundo.

Casado, pai, foi administrador do Banco Português do Atlântico, cargo que abandonou aquando da sua ida para Moçambique.

Homem de uma forte espiritualidade, vertical e muito meu amigo; em circunstâncias difíceis para mim, encontrei nele um esteio muito difícil de encontrar noutro, a par do Bispo D. Luís César Pereira, foi um dos mais fortes impulsionadores da reforma da Igreja Lusitana, em Portugal. A eles deve a Igreja o espírito de liberdade e de solidariedade, quando com o seu próprio dinheiro pagava os muitos retiros que fiz com ele.

Uma homenagem simples lhe faço,com o reconhecimento que em muito contribuiu para a minha formação.

Festejos do S. João no Porto

Junho 23, 2008