Archive for Novembro, 2007

Mudança do Clima – Parte II

Novembro 30, 2007

RECICLE 

Com cada vez mais governos europeus a tomarem iniciativas com vista à reciclagem de produtos, esta e uma actividade que se tem tornado cada vez mais fácil. Aprenda novas e fáceis maneiras de se desembaraçar do lixo assim como formas de escolher produtos e embalagens que causam menor impacto no ambiente.

 

  • Ponha os vidros no vidrão e separe o papel e o cartão, os plásticos e as latas do restante lixo. Reciclar uma lata de alumínio poupa 90% da energia necessária para produzir outra nova – 9 kg de emissões de CO2 por quilograma de alumínio! Para 1 kg de plásticos reciclados poupa-se 1,5 kg de CO2; para 1 kg de vidro reciclado poupa-se 300 g de CO2; e reciclando 1 kg de papel em vez de o deitar para o lixo, evita 900 g de emissões de CO2 bem como emissões de metano.

  • Reduza o lixo que produz. A maioria dos produtos que compramos, de uma forma ou de outra, dão origem a emissões de gases de efeito de estufa, por ex., durante a sua produção ou distribuição. Se transportar o seu almoço num recipiente reutilizável e não num descartável, irá poupar energia necessária para produzir novos recipientes.

  • Reutilize os sacos das compras. Ao fazer compras, gastará menos energia e produzirá menos lixo se utilizar um saco reutilizável em vez de aceitar um descartável em cada loja. O lixo não só liberta CO2 e metano na atmosfera como também pode poluir o ar, as águas subterrâneas e o solo.

  • Escolha produtos com menos embalagem e compre recargas. Estará a contribuir para reduzir a produção de lixo e o consumo de energia!

  • Compre de forma inteligente: uma garrafa de 1,5l gasta menos energia e produz menos lixo que três garrafas de 0,5l.

  • Recicle o seu lixo orgânico – as lixeiras são responsáveis por cerca de 3% da emissões de gases de estufa da UE através do metano libertado pelo lixo biodegradável em decomposição. Se reciclar o lixo orgânico ou criar um composto fertilizante, se tiver um jardim, pode ajudar a eliminar este problema! Certifique-se apenas de que o faz devidamente para que se decomponha com oxigénio suficiente, caso contrário o seu composto libertará metano e terá um odor insuportável.

Anúncios

Mais um recorde batido

Novembro 30, 2007

No mês de Novembro o BEM COMUM bateu o recorde de visitantes, relativamente a toda a sua publicação.

OBRIGADO A TODAS AS LEITORAS E A TODOS OS LEITORES! 

 

Códigos de Conduta

Novembro 30, 2007

 

AQUI

Fundação de Serralves entre finalistas de prémio comunicação

Novembro 30, 2007

http://tbn0.google.com/images?q=tbn:cmV151t6g9TeLM:http://www.apevt.pt/images/destaques/logo_descobrir_serralves.jpg

A Fundação de Serralves foi seleccionada para figurar entre os doze finalistas candidatos ao Prémio Internacional de Comunicação de Museus, um galardão para os melhores trabalhos de comunicação de museus e galerias de arte.Em comunicado, a Fundação especifica que dos 80 concorrentes, oriundos de 60 países de todo o mundo, foram escolhidos 12 nomeados, entre os quais consta a Fundação de Serralves.

A Fundação de Serralves concorreu ao prémio com a campanha de divulgação da exposição de Katharina Grosse, que esteve no Museu de Serralves entre Abril e Julho deste ano.

Usando como inspiração o trabalho da jovem artista alemã, que usa sprays coloridos para pintar os espaços onde expõe, a campanha nomeada para o Prémio teve como base cartazes brancos que depois de colocados nas ruas foram pintados com tinta em spray.

O júri é presidido pelo director de programação do Museu Vitória e Alberto e anunciará o vencedor numa cerimónia a ter lugar em Bruxelas, quinta-feira.

A Fundação de Serralves estará representada na cerimónia pelo seu Gabinete de Imagem e Divulgação, responsável pela campanha que agora se candidata ao prémio.

Sociedade civil – “aqueles que não me deram o colo por que outros lutaram…”

Novembro 30, 2007

Olhando sobre o mar deixei a minha mente vaguear sobre o infinito e desenhei no meu colo o primeiro menino que me foi entregue vítima de maus tratos. Vou chamar-lhe Nuno e lembrei-me de partilhar este retrato da minha vida profissional convosco.

 Ironia do destino fez com que o meu primeiro desafio profissional com menores me tivesse sido colocado aí na cidade da Maia. Era eu uma jovem recém-formada e encontrava-me na minha segunda semana de trabalho quando fui surpreendida por um agente da PSP que me entregava um menor de seis meses, o primeiro Nuno de tantos outros com os quais trabalhei. Era um menino lindo como de resto todos são, que acolhi no meu colo e que trazia consigo marcas físicas de um passado negro vivido ao relento e onde a mãe despejava a dor do colo que nunca teve… O Nuno olhava para os meus olhos como que solicitando ajuda enquanto virava costas à mãe que carpia lágrimas pela decisão do Sr. Dr. Juiz, “bicho mau”, que acabara de dar ordem de retirada imediata do menor à mãe e a sua entrega provisória ao ISSSP (Instituto de Solidariedade e Segurança Social do Porto) para que quem de direito lhe definisse um projecto de vida digno e capaz de lhe assegurar o bem-estar condizente à força do seu olhar. Competia-me a mim a tarefa de equacionar uma resposta social com carácter transitório para aquele menor, onde fossem salvaguardados todos os seus direitos, enquanto trabalhava a mãe biológica. Afinal, para todos aqueles que não conheceram outra forma de expressar o amor de mãe, bater é uma forma de amar…

Foi no final de uma tarde primaveril que isto aconteceu e depois de efectuadas as diligências necessárias o Nuno foi entregue a uma família de acolhimento que lhe deu tudo aquilo que podia e não podia para o fazer feliz. O Nuno era um menino seropositivo, fruto de uma relação ocasional da mãe, que se prostituía e se dedicava à toxicodependência. À progenitora foi-lhe proporcionado alojamento, formação, emprego, ferramentas indispensáveis para que lhe fosse possível acolher o filho, concedendo-se assim uma oportunidade de virar a página de uma vida mal amada, tarefa muito difícil, mas meritória em nome de um valor supremo.

Inicialmente, este Nuno de que vos falo era uma criança com problemas de relacionamento interpessoal, tinha medo dos adultos e aos poucos foi-se revelando. A nobreza de uma criança que percebeu que alguém o queria ajudar e dizendo tanto e tão pouco, ia abrindo o seu interior que nos permitiu trabalhar.

A mãe por seu lado, não correspondia ao investimento que estava a ser feito pelo que foi dado parecer ao Tribunal que a melhor resposta para o Nuno seria mesmo a adopção. MAS, de acordo com a legislação portuguesa, a “família de acolhimento” é uma resposta social, com carácter transitório que consiste em proporcionar ao menor em risco uma ambiente familiar similar ao de uma família biológica, sendo que a possibilidade destas famílias adoptarem as crianças que acolhem é nula. MAS, o Nuno estabelecia fortes laços afectivos com a sua nova família enquanto o tribunal se atrasava em proferir uma decisão final.

No dia em que o Sr. Dr., Juiz decreta a adopção, o Nuno era um membro daquela família. Era um filho, um irmão … de alguém que nunca teria pensado em adoptar uma criança… Encetou-se uma batalha protagonizada por todos aqueles que quiseram garantir o bem-estar do Nuno que hoje é um rapagão, bom aluno e vive feliz porque a justiça portuguesa soube tornear a lei e tendo em conta a especificidade da situação, decretou a adopção plena do menor pela família de acolhimento que entretanto se vira foçada a deixar de o ser.

Para ti Nuno, que hoje és um homenzinho e que conheces o percurso da tua vida, envio-te um beijo e quero dizer-te que tu és a confirmação de que a luta argumentada com base no amor, afinal é desgastante mas, vale a pena…

Que mal lhe fez o Sporting Sr. Rui Santos?

Novembro 30, 2007

 

Em artigo de opinião publicado nas páginas do Jornal Record da passada quarta feira, e no rescaldo do jogo de Old Traford, o Sr. Rui Santos foi particularmente contundente com as cores do Sporting ao afirmar “este plantel não tem qualidade para andar na primeira carruagem do comboio europeu. Ontem fez um esforço louvável para disfarçar as suas insuficiências. O sub Manchester da primeira parte permitiu construir a (falsa) ilusão de um super Sporting…”, e ainda que o que se passou em Inglaterra “só foi extraordinário para a mentalidade enraizada em Alvalade, segundo a qual tudo o que passe ao lado de uma catástrofe deve ser encarado com simpatia”.

Sem pretender questionar o direito do Sr. Rui Santos a ter a sua opinião, parecem-me estar críticas demasiado contundentes com uma equipa fez uma exibição no “palco dos sonhos” que não envergonhou, jogando olhos nos olhos com o Manchaster United, e que só por manifesta infelicidade perdeu o jogo, com um golo marcado aos 92 minutos, quando já ninguém acreditava que o resultado final fosse outro que não o empate.

Infelizmente o desempenho das outras duas equipas portuguesas nos jogos de ontem, não foi diferente. O Benfica frente ao Campeão Europeu em título não conseguiu melhor que um empate, e talvez tivesse merecido mais, e o F. C. Porto depois de ter mantido o Liverpool empatado até cerca de 15 minutos do final, acabou por sair de Anfield Road com uma derrota bem mais pesada que a do Sporting.

Pior ainda, o Benfica apesar do empate obtido precisa agora de uma vitória na última jornada para conseguir apuramento para a Taça UEFA.

Fiquei portanto curioso em ler o que escreveria hoje o Sr. Rui Santos. Como comentaria ele o desempenho das outras duas equipas portuguesas na Liga dos Campeões.

Espantem-se.

Em vez de se dedicar à opinião sobre os jogos de ontem, aquele comentarista prefere dizer …”O Sporting pode tentar lamber as feridas, proclamando: a tua crise (Benfica) é maior que a minha. Tratar-se-ia nesse contexto de tentar desviar mais uma vez as atenções sobre questões centrais, como aconteceu no caso em que Soares Franco tentou colocar Carlos Queiroz no lugar de Paulo Bento. Fraco consolo. A estratégia é clara mas indecente”.

Mas … o Sr. Rui Santos parece não saber o que é ser indecente.

O que é indecente, é que, num critério que não sei se foi sufragado por seis milhões de portugueses (em que eu me excluo), esse Senhor apareça na televisão a comentar semanalmente a jornada futebolística, como se detentor de uma qualquer formação superior a todas os “parvos” que não sabem o que é “cultura futebolística”. E a verdade é que este Senhor sabe de tudo, ele comenta a gestão financeira dos clubes, os plantéis das equipas, a organização dos clubes, os planos de treino, as lesões dos atletas, etc. etc. etc. Para tudo ele tem opinião.

É pena que este Senhor não perceba que futebol pode ser cultura, mas é sobretudo emoção. Futebol é paixão. Por isso os que defendem outras cores que não as suas, sejam elas quais forem (e por mais que não goste do azul, do verde ou do amarelo), têm igual direito de saltar com os golos, aplaudir as jogadas dos “génios”, ou chorar com as derrotas.

O que é verdadeiramente indecente é que um comentador não seja sequer capaz de disfarçar que interesses está a procurar defender. Ao menos o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa nunca escondeu dos portugueses quais as cores do seu partido. E o Senhor Rui Santos, se quer ser sério, porque não diz ao país quais as cores do clube é adepto?

De um comentarista espera-se maior distanciamento, maior isenção. Exige-se análise fria e rigorosa. Se quer vibrar com as cores do seu clube e atacar as do adversário, o seu lugar é no estádio, não nos jornais e televisão.

 

 

 

Mudança do Clima

Novembro 29, 2007

Ande a Pé 

A mudança do clima é um problema global e, no entanto, cada um de nós tem o poder para fazer a diferença. Mesmo as mais pequenas alterações na nossa rotina diária podem ajudar a evitar as emissões de gases de efeito de estufa sem afectar a nossa qualidade de vida. Na realidade, podem até representar uma poupança de dinheiro.

Andar a pé não só é mais saudável como também ajuda o ambiente. No entanto, todos nós precisamos de usar algum meio de transporte de vez em quando. Nessas alturas, é importante fazer as escolhas certas para poupar emissões de CO2.

  • Experimente utilizar um dos seguintes meios de transporte para ir trabalhar: andar de bicicleta, andar a pé, partilhar o carro, ir de transportes públicos, trabalhar de casa. Em média, por cada litro de combustível consumido por um motor de carro, são libertados mais de 2,5kg de CO2.
  • Tente evitar viagens curtas de carro porque o consumo de combustível e as emissões de CO2 são desproporcionalmente superiores quando o motor ainda está frio. As pesquisas indicam que uma de duas viagens de carro dentro das cidades são de menos de três quilómetros – uma distância que pode ser facilmente percorrida de bicicleta ou a pé, o que também é muito mais saudável que estar sentado num carro!

  • Evite a lavagem automática e tente lavar o seu carro à mão ou a jacto de ar pressurizado. As lavagens automáticas consomem mais electricidade e água do que a lavagem à moda antiga.

  • Ao trocar de carro, não se esqueça de considerar o consumo de combustível do seu novo veículo. Ao abrigo da legislação europeia, os fabricantes de carros são obrigados a apresentar a informação sobre emissões de CO2 e consumo de combustível dos novos carros em exibição nos salões de exposição e nos anúncios.

  • Não deixe o veículo aquecer enquanto está parado – a quantidade de combustível que gasta durante esse aquecimento é superior à que poupa se iniciar a sua viagem com um motor frio.

  • Certifique-se de que a pressão dos pneus está correcta: se a pressão estiver baixa em 0,5 bar, o seu carro utilizará mais 2,5% de combustível para vencer a resistência, libertando assim mais 2,5% de CO2.

  • Pense em utilizar óleo de baixa viscosidade. Se o fizer, as peças em movimento do motor ficarão mais lubrificadas do que se utilizar óleos vulgares, reduzindo a fricção. Os óleos de melhor qualidade podem reduzir o consumo de combustível e as emissões de CO2 em mais de 2,5%.

  • Evite andar com calhas de tejadilho vazias no seu carro. O consumo de combustível e as emissões de CO2 poderão aumentar até 10% devido à resistência do vento e ao peso extra – é boa ideia retirá-las. (quando as calhas de tejadilho estão completamente carregadas, o consumo de combustível pode aumentar cerca de 20-30%).

  • Não conduza a grandes velocidades – consumirá menos gasolina e emitirá menos CO2. Conduzir a velocidades superiores a 120 km por hora aumenta em 30% o consumo de combustível, se compararmos com uma velocidade de 80 km por hora. A 4ª, 5ª e 6ª velocidades são as mais económicas em termos de consumo de combustível.

  • Já ouviu falar em condução ecológica? Pode baixar o consumo de combustível em 5%. Ponha o seu carro a funcionar sem carregar no acelerador, mude para uma velocidade mais alta logo que for possível e mantenha uma velocidade regular.

  • Use o ar condicionado do seu carro moderadamente. Este aumenta, o consumo de combustível e as emissões de CO2 aumentarão cerca de 5%. Quando o seu carro estiver muito quente, conduza durante alguns minutos com as janelas completamente abertas e, em seguida, feche as janelas e ligue o A/C. Este procedimento ajudará a poupar o combustível necessário para reduzir a temperatura inicial.

  • Experimente viajar de comboio! Uma pessoa sozinha a viajar de carro produz três vezes mais emissões de CO2 por quilómetro do que produziria se viajasse de comboio.

  • Explore alternativas as viagens de avião. Viajar de avião é a fonte de emissões de CO2 que está a aumentar com mais rapidez. Se tiver que viajar de avião, pense em compensar as suas emissões de carbono. Há organizações que calculam as emissões que você originou e que investem capital em energias renováveis.

Um PS da Maia, que já não é!

Novembro 29, 2007

Os militantes socialistas da Maia, como eu, só sabe que um grupo, eleito pela secção do consultório, se prepara para se lançar no domínio do PS da Maia, delapidar ainda mais o seu património político, arregimentado, pelos velhos coronéis, como o dono do consoltório e arrancar para mais derrotas nas elições autárquicas.

Agora, segundo dizem os jornais, com nova presidente, novo secretariado, tudo saído do velho, com eleições fraudolentas, eis um Partido Socialista desorganizado, sem programa e cujos militantes sabem das novidades pelos jornais, porque nem a comissão política sabe do que se passa.

A ACTUAL “PRESIDENTE” DO PS DA MAIA, NÃO TEM QUALQUER PERFIL PARA OCUPAR ESTE CARGO. E SE DIZ QUE NÃO VEJAMOS QUAIS VÃO SER AS SUAS INTERVENÇÕES NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL.

POR AGORA O SILÊNCIO, CAMPEIA! 

POBRE PS DA MAIA! POBRE DA POLÍTICA!  

Pena de Morte: comunicado da Amnistia Internacional

Novembro 29, 2007

Querido amigo,
Querida amiga,

La 3ª Comisión de la Asamblea General de la ONU acaba de aprobar una resolución histórica a favor de una moratoria de la pena de muerte en todo el mundo.

Todos los socios y socias de Amnistía Internacional nos sentimos orgullosos de este gran paso, por el que hemos luchado durante años. Por eso te invitamos a unirte a Amnistía Internacional, y a ser protagonista de nuestras próximas conquistas hacia un mundo más humano. Dentro de unos días, el 10 de diciembre, conmemoramos el Día Internacional de los Derechos Humanos y contar contigo será, sin duda, la mejor manera de celebrarlo.

¡Gracias por estar a nuestro lado!

Esteban Beltrán
Director – Amnistía Internacional

Lançamento do livro ÓSCAR LOPES

Novembro 29, 2007

A Árvore, O Primeiro de Janeiro e a Fólio Edições realizam sessão de lançamento do livro “Óscar Lopes – Exemplo para os dias por vir”, no dia 29 de Novembro de 2007, pelas 18h00, na Árvore. Apresentação estará a cargo da Dra. Nassalete Miranda e do Prof. Doutor José António Gomes.

Nesta sessão anunciar-se-á o vencedor do Prémio de Ensaio Óscar Lopes.

Será dedicado a Óscar Lopes um monumento de música e poesia pelo Duo Pourquoi Pas (Raquel Lima, flauta e Augusto Pacheco, guitarra) e por Filipa Leal, que lerá alguns poemas da preferência de Óscar Lopes.

Debate sobre o QREN em Valongo

Novembro 28, 2007

O Vimara Peres vai organizar mais uma conferência, esta obre o QREN. Como sabe, tem sido nossa preocupação debater e esclarecer sobre os temas mais prioritários para o País, e sobretudo para a Região Norte e para  a Área Metropolitana do Porto. A  forma como A Região Norte utilizar os fundos disponibilizados pelo  novo quadro comunitário poderá ser uma oportunidade única para a Região. A Dra. Elisa Ferreira, uma das pessoas mais bem informadas sobre esta matéria, acedeu ao nosso convite para falar sobre este importante tema e estará à nossa disposição no  DIA 30 DE NOVEMBRO, pelas 21H30 no Auditório da Junta de Freguesia de Valongo.

O Convite segue em anexo. Contamos consigo. E, se puder, traga mais um amigo.

Raul Brito

Desenvolvimento humano desceu em Portugal entre 2000 e 2005

Novembro 28, 2007

O índice de desenvolvimento humano de Portugal desceu entre 2000 e 2005, o que acontece pela primeira vez nos intervalos quinquenais desde 1975. Portugal foi mesmo o único país da União Europeia e do conjunto da Europa onde esta tendência se registou nesse período, de acordo com o Relatório do Desenvolvimento Humano de 2007-2008, divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Nesta lista ordenada (“ranking”), que abrange 177 países, houve 14 países cujo índice desceu no mesmo período, mas nenhum outro dos classificados com desenvolvimento humano elevado (onde Portugal se encontra), que abrange os países com os 70 melhores resultados e tem o Brasil a encerrar o grupo.

 

Entre os 13 países que acompanharam Portugal nesta tendência estão sobretudo Estados africanos, como a África do Sul, o Zimbabwe e outros da região, ou ainda o Gana, o Quénia, o Togo e o Chade. Mas há também países como o Belize e a Papua-Nova Guiné. Estão sobretudo no grupo dos classificados como tendo desenvolvimento humano intermédio.

 

Portugal ficou na 29 posição na lista divulgada pelo PNUD, tendo descido uma posição face ao ano precedente. O valor do índice de desenvolvimento humano de Portugal foi de 0,897 em 2005, quando no ano 2000 tinha sido de 0,904.

 

Mas uma descida de posição poderia no entanto ter acontecido mesmo com uma eventual subida do índice, o que significava que a situação no país continuava a melhorar, mas a um ritmo inferior à daquele(s) que nos ultrapassava(m). Uma descida do valor do índice como a que agora se conhece revela à partida uma degradação das condições de vida médias da população.

 

Desde 1975, quando o valor do índice era de 0,793, a tendência tinha sido sempre de subida nos intervalos quinquenais até ao ano 2000 – 0,807 em 1980, 0,829 em 1985, 0,855 em 1990 e 0,904 no ano 2000.

O índice de desenvolvimento humano é calculado para cada país com base num conjunto de indicadores estatísticos nacionais, como a esperança de vida à nascença, os níveis de instrução e o rendimento por habitante.

Como ter uma casa ecológica?

Novembro 28, 2007

Já que passamos grande parte do nosso tempo em espaços fechados, estes deveriam ser saudáveis. Infelizmente, nem sempre assim é. Conheça as fontes poluidoras a que estamos diariamente sujeitos e as medidas a tomar para as evitar ou atenuar.

Passamos a maior parte do nosso tempo dentro de espaços fechados. Por esta razão, as casas e os locais de trabalho deveriam ser saudáveis, permitindo aos seus ocupantes gozar de conforto e, inclusivamente, gerar maiores rendimentos laborais. Infelizmente, não é este o caso para um grande número de construções. Ainda que eventualmente não nos apercebamos, os espaços interiores estão sujeitos a numerosas fontes poluidoras. Entre elas, destacam-se:

. Compostos orgânicos voláteis: são compostos orgânicos (substâncias com átomos de carbono e hidrogénio, aos quais se podem ainda ligar vários outros elementos) que se caracterizam pela sua elevada volatilidade, ou seja, produzem vapores mesmo à temperatura ambiente. O problema é que estes compostos são, muitas vezes, tóxicos, libertando-se de solventes, contraplacados, carpetes, ceras, vernizes, tintas, lacas, detergentes e fibras sintéticas, insecticidas e aerossóis, roupas limpas a seco, etc. Sintomas habituais resultantes da inalação dos vapores incluem erupções cutâneas, dores de cabeça, irritação dos olhos, fadiga, depressão e alergias;

. Produtos da combustão: em casas com esquentadores, lareiras, fogões e aquecedores a gás, formam-se também produtos da combustão potencialmente perigosos. Entre eles o monóxido de carbono (a partir de uma dada concentração diminui a capacidade de respiração, interfere com a fisiologia do fígado e reduz a capacidade cognitiva), que se forma fundamentalmente em ambientes mal ventilados, e os óxidos de azoto (afectam o sistema nervoso e reprodutivo). As garagens integradas em moradias ou prédios podem ser especialmente perigosas devido aos gases de escape dos automóveis; por esta razão, devem-se encontrar cuidadosamente isoladas do resto dos edifícios;

. Biocidas: a maior parte dos pesticidas e insecticidas usados não foi adequadamente testada em termos de segurança para o ser humano. Por vezes ocorrem efeitos sinérgicos – o contacto isolado com dois pesticidas pode ser relativamente inócuo, mas em simultâneo tornar-se muito grave. A exposição a biocidas é, naturalmente, muito mais provável em quintas e casas do campo, mas mesmo nas cidades pode dar-se através de insecticidas domésticos, carpetes, tintas e produtos de madeira, que são regularmente tratados com aqueles químicos;

. Poluição electromagnética: este tipo de poluição tem ganho maior atenção pública sobretudo desde o advento dos telemóveis e antenas transmissoras. Embora os cientistas se dividam relativamente aos perigos desta radiação, há contudo vários estudos que apontam para a existência de graves efeitos secundários. O risco de contracção de doenças, como a leucemia, parece ser acrescido em residentes próximos de postes de alta tensão e de antenas de telemóveis. Milhões de pessoas em todo o mundo estão, consciente ou inconscientemente, envolvidas numa experiência com resultados incertos. O princípio da prevenção não está, pois, a ser cumprido;

. Poluentes de origem natural: muitos poluentes ocorrem naturalmente na Natureza, ainda que, regra geral, em níveis que não constituem uma ameaça. A radioactividade e o gás radão são porventura dos mais preocupantes. O radão penetra nas casas (através de fendas, canos, etc.) e, se estas não se encontrarem devidamente ventiladas, pode atingir concentrações nocivas para a saúde. Em zonas de risco é recomendável realizar medições. O pólen, o pó e os esporos de fungos também se podem considerar poluentes naturais, visto que estão relacionados com o surgimento de alergias e de asma.

 Para ter uma casa saudável é necessário, portanto, minimizar a ocorrência destes poluentes.

Pensar a energia, pensar o futuro

Novembro 28, 2007

Na altura em que se registam os primeiros progressos no cumprimento dos objectivos de Quioto, a UE deve definir claramente as suas escolhas em matéria de energia sem renunciar aos seus objectivos económicos e ambientais.

Os europeus encontram-se perante um verdadeiro desafio de sociedade: conseguir conciliar a segurança energética, a luta contra as alterações climáticas, a protecção do ambiente e o crescimento e o emprego. Das novas energias à energia nuclear, passando pelo mundo das empresas, a União Europeia não descura nenhuma pista a fim de que o apoio concedido esteja à altura do desafio.

A UE fixou objectivos claros para as próximas décadas em matéria de emissões de gases com efeito de estufa, de energias renováveis e de rendimento energético. A sua realização passa pela criação de instrumentos legislativos e pelo desenvolvimento de uma nova geração de tecnologias energéticas. Embora exista, o potencial permanece sub‑explorado, pela falta de meios financeiros, humanos e estruturais suficientes para a investigação. Partindo desta constatação, a Comissão lança um vasto plano estratégico para as tecnologias energéticas, baptizado «plano SET».

A energia nuclear ocupa um lugar central e incontornável na reflexão sobre o futuro energético e climático da Europa. O Conselho Europeu propôs o lançamento de um debate aberto, estruturado e sem tabus sobre as vantagens e os perigos do nuclear. Este debate terá início com a abertura em Bratislava do primeiro fórum europeu da energia nuclear.

Paralelamente, a Comissão e o grupo de alto nível sobre a competitividade, a energia e o ambiente acolhem em Bruxelas empresários da Europa e do resto do mundo para uma grande conferência sobre os desafios colocados pelas alterações climáticas.

 Todas estas iniciativas parecem tanto mais pertinentes quanto a Europa se encontra numa fase decisiva do cumprimento dos objectivos de Quioto. O relatório anual publicado pela Comissão revela que apesar de a União Europeia estar em vias de ganhar a aposta a curto prazo (entre 2008 e 2012, os Estados‑Membros devem reduzir colectivamente as suas emissões com efeito de estufa de 8 % em relação aos níveis de 1990), devem ser rapidamente aplicadas novas medidas a fim de manter o ritmo até 2020 e para além dessa data.

Jantar – debate com Helena Roseta

Novembro 27, 2007

Cara/o Amiga/o,

O MICporto vem por este meio convidá-la/o para um Jantar-debate Cidadãos no poder Autárquico, com Helena Roseta, a ter lugar na próxima Terça-feira (amanhã), dia 27 de Novembro, pelas 19h30, no Orfeão do Porto (sito na praça da Batalha).

Inscrições para Ernesto Silva: 919370625 ou Frederica Armada: 964075601.

formação ao longo da vida

Novembro 27, 2007

Quadro europeu de qualificações deverá facilitar a vida aos europeus que queiram trabalhar ou estudar noutro país da UE.

O quadro europeu de qualificações consiste numa forma sistemática de classificação das qualificações com base nos resultados da aprendizagem, isto é, com base nos conhecimentos adquiridos e naquilo que as pessoas sabem fazer com esses conhecimentos e não no lugar de obtenção dos diplomas. O referido quadro estabelecerá equivalências entre as qualificações obtidas nos vários países e uma referência comum europeia.

A ideia é facilitar a comparação das qualificações  nacionais na Europa, de forma a que, por exemplo, uma empresa irlandesa possa “decifrar” facilmente as qualificações de um candidato húngaro e avaliar se o mesmo corresponde ao perfil de um lugar a preencher.

O quadro europeu de qualificações é o primeiro quadro internacional que abrange toda a gama de qualificações: ensino superior, formação profissional, educação de adultos e ensino geral. Os 27 países da União Europeia deverão estabelecer correspondências entre os sistemas de qualificações nacionais e o quadro europeu até 2010. Espera-se que até 2012 as novas qualificações obteníveis na UE sejam repertoriadas nesse quadro.

Os trabalhos relativos ao quadro europeu de qualificações tiveram início em 2004, altura em que a França, a Irlanda e o Reino Unido eram os únicos países que possuíam quadros de qualificações nacionais. Actualmente, a maioria dos países da UE está a elaborar o seu próprio quadro.

 O quadro europeu de qualificações vem complementar programas europeus como Europass, Ploteus e o programa de aprendizagem ao longo da vida, que têm como objectivo melhorar o reconhecimento das qualificações e incentivar todos os que desejem trabalhar e estudar noutro país da UE.

Para a próxima semana

Novembro 27, 2007


Paranoid Park, um filme de Gus Van Sant

Prémio Nobel da Paz para Durão Barroso?

Novembro 27, 2007

O Presidente da República de Timor-Leste José Ramos-Horta anunciou no passsado sábado que vai propor José Manuel Durão Barroso e a União Europeia (UE) para o Prémio Nobel da Paz de 2008. O anúncio foi feito durante a cerimónia de transferência para a Comissão Europeia da Casa da Europa, um edifício histórico no centro de Díli até agora conhecido como Uma Fuko (“Casa da Cultura” em tétum). Ainda segundo o Presidente Timorense, Durão Barroso merece a distinção da Academia Sueca “pelo seu papel central na dinamização de uma Europa mais sensível aos problemas e aspirações dos povos mais pobres”.

Tenho enorme orgulho de ser português e nunca defendi, como Saramago, a integração portuguesa no estado espanhol, e por isso esta notícia deveria encher-me de orgulho, mas não. Reconhecendo embora que Durão Barroso tem feito muito na defesa da paz e da autodeterminãção de povos oprimidos, como aconteceu na defesa da causa timorense (e por isso se compreende a proposta vinda do Presidente Ramos-Horta), a verdade é que Durão Barroso tem pelo menos uma mancha grave no seu Curriculum, a de ter participado da vergonhosa mentida das “armas de destruição em massa” montada por Bush, Blair e Aznar para justificar uma intervenção militar no Iraque.

É verdade que a Academia de Oslo já por outras vezes fez atribuições de prémios por critérios muito discutíveis. Estou a pensar por exemplo em Arafat, mas ainda assim, e a menos que os jurados da Academia Sueca estejam com sono e de memória curta, Durão Barroso deve esperar a atribuição do prémio … sentado, ou então seria a negação dos mais elementares princípios que norteiam a atribuição do Nobel.

Eu não tenho memória curta !

A OIT desenvolve Manual: Auditoria de Género

Novembro 26, 2007

A OIT desenvolveu um guia de formação para apoiar as organizações que queiram por em prática uma auditoria de género. Este manual prático é o primeiro desenvolvido no quadro do sistema das Nações Unidas e oferece a quem o utiliza um conjunto de ferramentas que podem ser adaptadas aos diferentes contextos organizacionais.

A «manual for gender audit facilitators: the ILO participatory gender audit methodology» é composto por cinco capítulos, nos quais se pode ficar a saber o que é uma auditoria de género, objectivos e áreas de análise, como se implementa um processo de auditoria de género, exercícios práticos entre outras informações.

Neste link tem acesso à versão inglesa do Guia.

Parabéns Daniel

Novembro 26, 2007

O Daniel Ribas, que é meu filho, acaba de garantir uma bolsa para o seu Doutoramento, com a tese

A IDENTIDADE NACIONAL NOS FILMES DE JOÃO CANIJO

 

POR ISSO DANIEL OS MEUS PARABÉNS COMO PAI E ADMIRADOR TEU

SEGUE SEMPRE PELOS CAMINHOS DA VERDADE, DA JUSTIÇA

E SOBRETUDO SÊ TU, NÃO TE ESQUEÇAS NUNCA QUE MUITOS NÃO TÊM VOZ, NEM VEZ,

SEGUE OS CAMINHOS DOS DOIS TEUS AVÓS, MÁRIO E MANUEL